Coreia do Norte está disposta a negociar o desarmamento nuclear

Grupo do 5+1 quer que antes o país assuma a responsabilidade pelo ataque ao Cheonan

Reuters,

10 de julho de 2010 | 01h06

SEUL- A Coria do Norte afirmou neste sábado, 10, (horário local) que está disposta a retornar às negociações de desarmamento nuclear e deu sinais de satisfação sobre um comunicado do Conselho de Segurança da ONU que não condenou Pyongyang pelo naufrágio de uma corveta sul coreana, segundo a agência de notícias KCNA.

Na sexta, o CS criticou o afundamento do navio de guerra Cheonan que deixou 46 marinheiros sul-coreanos mortos em março, mas não culpou diretamente a Coreia do Norte pelo incidente.

Negociações nucleares do grupo 5+1 que envolvem as Coreias, Estados Unidos, Japão, Rússia e China estão congeladas desde 2007, e um acordo de desarmamento de 2005 perdeu sua relevância após Pyongyang testar um míssil de longo alcance e um equipamento nuclear.

"A República Democrática Popular da Coreia fará esforços consistentes para a conclusão de um tratado de paz e a desnuclearização por meio de conversas do Grupo dos Seis em níveis equitativos", afirmou o porta-voz do Ministério de Exteriores do país, em comentários citados pela KCNA.

"Nós tomamos nota do (...) comunicado que afirma que o Conselho de Segurança encoraja o estabelecimento de excelentes medidas na Península da Coreia por meio de meios pacíficos para a retomada do diálogo direto e da negociação por meio dos canais apropriados", afirmou a chancelaria em um comunicado, segundo a KCNA.

O Conselho de Segurança declarou, mas não identificou quem atacou, mas é capaz de consentir para Pyongyang, aliado da China, por unanimidade a aprovação e também mais sanções a Coreia do Norte, mas antes o Ocidente quer chamar o país para conversar no fórum dos seis países.

Mas a Coreia do Sul e os Estados Unidos disseram que a Coreia do Norte primeiro deve admitir a responsabilidade pelo o incidente com o Cheonan para depois remotar as negociações com os seis países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.