Coréia do Norte está na iminência de grande fome

Grandes enchentes em 2007 prejudicaram as plantações; país sofreu de escassez de comida nos anos 1990

17 de abril de 2008 | 21h40

A Coréia do Norte pode estar na iminência de outra grande fome como resultado das devastadoras enchentes do ano passado e do aumento mundial no preço dos alimentos, alertaram as Nações Unidas nesta quinta-feira, 17, segundo informou a rede de TV CNN. De acordo com um relatório das Nações Unidas, aproximadamente 40% das crianças do país estão cronicamente desnutridas. "A Coréia do Norte sofre com uma perigosa escassez de comida" disse o porta-voz do Programa Alimentar da ONU, Paul Risley, em uma conferência na Tailândia. "Por causa da alta global no preço da comida, será muito difícil para a Coréia do Norte adquirir alimento para solucionar o problema", disse. O país ainda se recupera de uma grande fome nos anos 1990 que pode ter matado cerca de 1 milhão de pessoas e deixou muitas crianças permanentemente debilitadas, de acordo com a organização não-governamental Human Rights Watch. Risley informou que este ano haverá uma escassez de cerca de 1.600.000 toneladas de arroz e trigo, o que pode aumentar porcentagem de crianças mal nutridas. Batatas e ovos são um luxo na Coréia do Norte, onde a maioria das pessoas tem que gastar um terço de seu salário mensal para compra 1kg de arroz. O preço do grão dobrou o último ano. "As safras do ano passado foram praticamente destruídas pelas enchentes de agosto de 2007" afirmou Risley. "Isto significa que o país não tem comida suficiente para alimentar sua população, já que não recebeu doações substanciais de alimentos da Coréia do Sul, como nos últimos anos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.