KRT via AP
KRT via AP

Coreia do Norte expulsa jornalista durante Congresso do Partido dos Trabalhadores

Autoridades norte-coreanas afirmaram que a cobertura de Rupert Wingfield-Hayes estava sendo ‘pouco respeitosa’ e que ele nunca mais poderá voltar ao país

O Estado de S. Paulo

09 Maio 2016 | 09h03

PYONGYANG - O jornalista da BBC Rupert Wingfield-Hayes foi expulso nesta segunda-feira, 9, da Coreia do Norte, onde cobria o VII Congresso do Partido dos Trabalhadores, informaram fontes da emissora pública britânica.

Autoridades norte-coreanas anunciaram a expulsão alegando que sua cobertura estava sendo "pouco respeitosa", e por isso nunca mais poderá voltar ao país.

O jornalista, que entrou na Coreia do Norte no dia 29 de abril, foi detido quando saía de Pyongyang na sexta-feira, e permaneceu retido em um hotel da capital.

Wingfield-Hayes, que trabalha como correspondente em Tóquio, deixará a Coreia do Norte ainda nesta segunda-feira.

Cerca de 130 jornalistas estrangeiros estão em Pyongyang cobrindo o Congresso do Partido dos Trabalhadores, realizado pela primeira vez em 36 anos.

Nomeação. O líder norte-coreano Kim Jong-un foi nomeado presidente do Partido dos Trabalhadores de Coreia durante o último dia do Congresso que buscou elogiar a figura do ditador de 33 anos.

Kim ostentava até agora o título de primeiro-secretário do Partido e em razão do Congresso, ganhou um novo posto criado especialmente para ele.

O líder presidiu o conclave político, que não era realizado desde 1980, e que contou com a presença de quase 3,5 mil delegados.

No segundo dia do Congresso, o líder fez um discurso de mais de três horas no qual lançou uma mensagem de conciliação à comunidade internacional e apresentou um plano econômico de cinco anos. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.