Coréia do Norte fala em direito de ter armas nucleares

Um dia depois de uma rádio estatal alardear que a Coréia do Norte possuía armas nucleares, a mídia estatal retratou-se hoje do anúncio, revertendo para a posição usual, vaga, do país sobre a questão, divulgou hoje a uma agência de notícias sul-coreana.No domingo, a Rádio de Pyongyang noticiou que o país haviadesenvolvido "armas nucleares e outras poderosas devido àsameaças nucleares dos imperialistas dos EUA", segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap, que monitora as transmissões do Norte.Alguns entenderam a notícia como a primeira confirmaçãooficial de que a Coréia do Norte dispunha de armas atômicas. Mas, na noite de hoje, outra estação de rádio estatal, aCentral, divulgou uma versão sutilmente alterada da notíciainicial. Ela repetiu a notícia da Rádio de Pyongyang - mas sódepois de alterar um verbo-chave, segundo a Yonhap.A Coréia do Norte, atualizou, "tem o direito" de possuirarmas nucleares. A Yonhap já havia dado pouca importância ao anúncio inicial, adiantando que poderia ter se tratado de um erro do apresentador. Nenhuma outra mídia do Norte, incluindo seuserviço em língua inglesa, a Agência Central de Notícias Coreana a havia divulgado.Para a Yonhap, a retratação de hoje parece refletir o desconforto que os líderes da Coréia do Norte podem ter sentido sobre o destaque dado na mídia internacional a respeito de que yongyang havia admitido dispor de armas nucleares.Anteriormente, autoridades da Coréia do Sul tambémduvidaram da credibilidade da notícia de domingo. "Na Coréia do Norte, tal notícia seria acompanhada de uma declaração oficial do governo, ou um anúncio político ou comentários de altas autoridades", explicou Choi Young-joon, um analista do Ministério da Unificação da Coréia do Sul.A Coréia do Norte admitiu em outubro a um enviado dos EUA que tinha um programa de desenvolvimento de armas nucleares com urânio enriquecido.Washington considera que o programa viola um pacto de 1994, pelo qual a Coréia do Norte concordou em congelar suas instalações de plutônio suspeitas de serem usadas para desenvolver armas nucleares em troca de dois reatores de águaleve e 500.000 toneladas anuais de petróleo até que os reatoresfossem construídos.Mas Pyongyang entende que Washington rompeu primeiro o pacto, citando o atraso na construção dos reatores. Um consórcio internacional liderado pelos EUA decidiu na semana passada suspender a entrega de petróleo à Coréia do Norte a partir de dezembro como punição ao programa de armas nuclearesde Pyongyang.A Coréia do Norte tem dito que estaria disposta a resolver a questão nuclear caso os EUA aceitem um pacto de não-agressão.Washington, por seu lado, exige que Pyongyang elimine primeiro,"de maneira imediata e verificável", suas ambições nucleares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.