Coreia do Norte fala em 'dissuasão nuclear ' contra Estados Unidos e Seul

Países anunciaram exercícios militares conjuntos; EUA rechaçam 'guerra de palavras' com Pyongyang

estadão.com.br,

23 de julho de 2010 | 19h07

SEUL - A Coreia do Norte ameaçou nesta sexta-feira, 23, usar uma "potente dissuasão nuclear" em resposta aos exercícios militares conjuntos anunciados a partir de domingo pela Coreia do Sul e Estados Unidos, de acordo com meios oficiais. As informações são da agência de notícias AFP.

 

Veja também:

linkCoreia do Norte promete 'resposta física' a exercícios militares

linkEUA se interessam por disputa territorial chinesa

 

Os EUA responderam dizendo que não estão interessados em uma 'guerra de palavras' com os norte-coreanos. " Precisamos de atitudes construtivas e menos palavras provocativas", disse um porta-voz do governo americano.

 

Segundo a agência de notícias norte-coreana KCNA, que cita a Comissão de Defesa Nacional de Pyongyang, a Coreia do Norte está preparada para "uma guerra sagrada de represálias".

 

Washington e Seul anunciaram exercícios militares conjuntos a partir do domingo, em resposta ao naufrágio da corveta sul-coreana Cheonan, que deixou 46 marinheiros mortos em março. Segundo uma investigação internacional liderada por Seul, um torpedo da Coreia do Norte foi responsável pelo afundamento, o que Pyongyang nega.

 

"O Exército e a população da Coreia do Norte responderão legitimamente com sua potente dissuasão nuclear os exercícios de guerra que serão realizados pelos Estados Unidos e as forças títere da Coreia do Sul", afirmou a Comissão de Defesa de Pyongyang, segundo a KCNA.

 

"Todas essas manobras de guerra não são outra coisa senão provocações descaradas destinadas a sufocar a Coreia do Norte pela força das armas e por todos os meios", acrescentou a agência.

 

Washington e Seul disseram que os exercícios - que envolvem o porta-aviões USS George Washington, outros 20 navios, cem aviões e mais de 8 mil soldados - têm o objetivo de deter agressões norte-coreanas. A China, histórica aliada da Coreia do Norte, criticou os planos e disse que qualquer ação pode "exacerbar as tensões regionais".

 

Na quarta-feira, os EUA anunciaram a imposição de novas sanções contra a Coreia do Norte. As medidas teriam o objetivo de conter a proliferação nuclear no país e a importação de bens de consumo de luxo.

 

Com BBC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.