Coréia do Norte faz acusações aos EUA

Um dia após os EUA mudarem de posição e indicarem sua disposição de dialogar com a Coréia do Norte, mesmo antes de o país voltar atrás em sua decisão de reativar seu programa nuclear, Pyongyang acusou Washington de aumentar o perigo de uma guerra na Península Coreana.A agência oficial de notícias norte-coreana KCNA não comentou a oferta incondicional de diálogo americana, feita na terça-feira, nem o ultimato dado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para que Pyongyang aceite o retorno dos inspetores da ONU. Mas a KCNA acusou Washington de fazer "alvoroço sobre uma ameaça nuclear" e usar a questão atômica para envenenar as tentativas de reconciliação entre a Coréia do Norte e a do Sul.Pyongyang também exortou a Coréia do Sul a "unir esforços" contra os EUA, numa aparente tentativa de afastar o país vizinho de seu principal aliado. "Está claro para todos, que se começar uma guerra nuclear na Coréia, isso provocará desastres catastróficos para os coreanos de ambas partes da península", disse a KCNA.O porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, declarou hoje que agora é a vez de a Coréia do Norte dar o próximo passo, se quiser conversar com os EUA sobre o demantelamento de suas armas nucleares. Pyongyang insiste na assinatura de um pacto de não-agressão com os EUA antes de iniciar conversações."A bola está no campo deles", disse Fleischer. "Foram eles que criaram a situação ao violar acordos que assinaram, e agora não devem esperar que os EUA lhes dêem incentivos adicionais para honrar velhos pactos", declarou o porta-voz, referindo-se ao acordo de 1994, no qual a Coréia do Norte aceitava congelar seu programa nuclear em troca de combustível e de dois reatores de água leve.A crise foi provocada pela decisão da Coréia do Norte, no mês passado, de reativar seu reator nuclear de Yongbyon para, segundo ela, suprir suas necessidades de energia, após os EUA e aliados suspenderem o fornecimento de petróleo, alegando que Pyongyang estava mantendo secretamente um programa nuclear.O governo americano, que antes insistia em manter o diálogo somente após a Coréia do Norte desativar seu programa nuclear, mudou de posição após uma reunião de dois dias, em Washington, entre diplomatas americanos, japoneses e sul-coreanos. Mas Washington insiste que não fará concessões e não permitirá que o programa nuclear norte-coreano se transforme em uma peça de negociação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.