Coreia do Norte faz advertência por turismo na fronteira com a Coreia do Sul

Área conhecida como a última fronteira da Guerra Fria recebe meio milhão de turistas por ano

Reuters

29 de março de 2010 | 03h05

A Coreia do Norte advertiu nesta segunda-feira, 29, que um desastre de proporções inimagináveis pode ocorrer na zona de fronteira com a Coreia do Sul, devido a uma área fortemente armada muito visita por turistas.

 

A advertência surgiu em um momento de crescente tensão na região, principalmente após o naufrágio de um barco da marinha da Coreia do Sul na península.

Um porta-voz do exército popular da Coreia do Norte declarou que a Coreia do Sul estava invadindo em "ações deliberadas para converter a ZDM (zona desmilitarizada) em um teatro de confrontos (com o Norte) e em local de guerra psicológica, ao permitir visitas na área de fronteira.

 

Quase meio milhão de turistas visitam todo ano a aldeia de Panmujon, dentro da zona, além de outro locais que mostram aspectos diferentes da última fronteira da Guerra Fria. "Se as autoridades dos Estados Unidos e Coreia do Sul persistirem em seus atos incorretos de utilizar a ZDM para o confronto intercoreano apesar de nossas advertência, certamente incidentes de grandes proporções acontecerão, incluindo a perda de vidas humanas", declarou o porta-voz.

 

Antes da advertência, a Organização do Turismo da Coria do Sul havia declarado em seu site que "a ZDN é um destino seguro, que recomendamos a qualquer viajante".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.