KCNA / KNS / AFP
KCNA / KNS / AFP

Coreia do Norte lança dois mísseis de curto alcance

Governo americano diz que foi de curto alcance, mas investiga o tipo de armamento

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2019 | 21h46
Atualizado 25 de julho de 2019 | 05h34

SEUL - A Yonhap, agência de notícias da Coreia do Sul, informou nesta quarta-feira, 24, que a Coreia do Norte disparou dois mísseis no Mar do Japão / Mar do Leste. “A Coreia do Norte disparou um projétil não identificado às 5h34 e outro às 5h57 (17h34 e 17h57 no horário de Brasília), da área de Wonsan em direção ao Mar do Leste. Eles voaram em torno de 430 quilômetros”, disse a agência. O Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul confirmou o disparo.

O gesto do país liderado por Kim Jong-un aumenta a pressão sobre a situação regional. “Nossas Forças Armadas estão monitorando de perto a situação, para o caso de lançamentos adicionais, mantendo uma posição de prontidão”, afirmam os militares sul-coreanos. 

Um dos projéteis viajou cerca de 430 quilômetros, enquanto o outro voou um pouco mais, de acordo com uma análise das forças dos Estados Unidos, detalhou o porta-voz do Ministério da Defesa. Os dois mísseis, lançados a partir de plataformas móveis (TEL), atingiram cerca de 50 quilômetros de altura.

O governo americano está ciente dos disparos, segundo a Yonhap, e confirmou o lançamento. “Posso confirmar que foi de curto alcance”, afirmou à agência France Presse uma fonte do governo americano.

Não há informação sobre o tipo do armamento. Oficiais de inteligência da Coreia do Sul e dos Estados Unidos estão analisando o que teria sido lançado.

O último lançamento feito pela Coreia do Norte tinha sido o de mísseis de curto alcance, em 9 de maio, antes de o líder norte-coreano Kim Jong-un concordar em retomar seu diálogo com o presidente dos EUA, Donald Trump, durante um breve encontro na fronteira entre as duas Coreias, em 30 de maio.

Apesar do otimismo de Trump, as negociações entre os dois países não avançam. A cúpula realizada em fevereiro, em Hanói, no Vietnã, terminou mais cedo em razão de discordâncias entre negociadores americanos e norte-coreanos. Kim reclama também que Trump exige concessões, mas que não oferece em troca nenhum alívio das sanções econômicas. 

Desde então, Trump e Kim prometeram retomar o diálogo, mas a Coreia do Norte tem criticado duramente exercícios militares conjuntos entre EUA e Coreia do Sul. “A Coreia do Norte está claramente irritada com os exercícios militares americanos e sul-coreanos”, disse Harry Kazianis, diretor de estudos coreanos do Center for the National Interest, com sede em Washington. “É por isso que Pyongyang se recusa a marcar data para novas negociações e agora voltou a lançar mísseis. É uma decisão previsível.” / AFP e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.