Coreia do Norte faz passeata pró-lançamento de satélite

China adota versão norte-coreana e defende direito de Pyongyang 'usar pacificamente' seu espaço

Agências internacionais,

08 de abril de 2009 | 10h03

Foto: AP

 

SEUL - A Coreia do Norte organizou nesta quarta-feira, 8, uma passeata para celebrar o lançamento de seu satélite no espaço no último fim de semana. Imagens obtidas pela APTN, em Pyongyang, mostram uma multidão de forma ordenada e muito bem vestida comemorando o lançamento do foguete, embaixo de uma grande faixa com a frase "Parabenizamos de modo entusiasmado o bem-sucedido lançamento" do satélite.

 

Veja também:

Gilles Lapouge: Coreia do Norte põe em risco sonho de Obama

video TV norte-coreana mostra imagens de lançamento de foguete

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

 

Foto: AP

 

A manifestação ocorreu um dia antes de que o Legislativo confirme a esperada eleição de Kim Jong-il para um terceiro mandato. Há questionamento, porém, sobre o estado de saúde do líder e sobre quem o sucederá.

 

A Coreia do Norte afirma que lançou no domingo um foguete levando um satélite de comunicação, que está transmitindo hinos norte-coreanos. Entretanto, EUA e Coreia do Sul afirmam que não há nenhum equipamento em órbita e que o lançamento foi realmente o teste de um míssil intercontinental. Com o apoio do Japão, eles iniciaram uma campanha no Conselho de Segurança da ONU por novas sanções ao país.

 

O debate na ONU por punições contra o lançamento norte-coreano vem sendo evitado. A China defendeu na terça o direito da Coreia do Norte de fazer uso pacífico de seu espaço e afirmou que o Conselho de Segurança da ONU deve ser prudente em sua reação ao lançamento de um foguete por Pyongyang no domingo. O porta-voz da chancelaria chinesa, Jiang Yu, disse ontem que o conflito tem de ser resolvido por meio da negociação entre o grupo dos seis, que reúne China, Coreia do Norte, EUA, Japão, Coreia do Sul e Rússia. As discussões estão paralisadas desde dezembro.

 

Os EUA defendem que o Conselho de Segurança tenha uma reação contundente contra o gesto de Pyongyang, que consideram provocativo, mas admitiram que uma solução pode levar tempo. "Isto não é algo que esperamos que seja resolvido imediatamente", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado Robert Wood. o embaixador norte-coreano na ONU, Pak Tok-hun, acusou a ONU de ser "antidemocrática" ao ter como alvo a nação comunista enquanto permite que outros países lancem satélites. Ele advertiu que Pyongyang pode adotar "duros passos" se for punido.

 

O governo chinês descartou nesta quarta debater o lançamento do foguete na reunião que terá com Japão e Coreia do Sul durante a cúpula de países asiáticos da região do oceano Pacífico que começará na cidade de Pattaya, na Tailândia, na próxima sexta-feira. "O assunto do satélite é específico demais e não acho que deva ser discutido no encontro trilateral", explicou em entrevista coletiva o vice-ministro de Assuntos Exteriores chinês, Hu Zhengyue.

 

(Com Cláudia Trevisan, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteCoreia do SulEUAJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.