Lee Jin-man/AP
Lee Jin-man/AP

Coreia do Norte faz terceiro lançamento de mísseis em nove dias

Lançamento foi feito poucas horas depois de o regime ameaçar responder 'mais fortemente' às sanções dos EUA impostas nesta semana contra os norte-coreanos ligados ao programa de armamento do país

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2022 | 17h34

SEUL - A Coreia do Norte lançou nesta sexta-feira, 14, seu terceiro míssil nos últimos nove dias, poucas horas depois de ameaçar responder mais fortemente às sanções dos Estados Unidos impostas nesta semana contra os norte-coreanos ligados ao programa de armamento do regime.

O desinteresse demonstrado durante meses por Pyongyang no diálogo, a vontade renovada dos EUA de endurecer as sanções e os três testes de armas norte-coreanos que aconteceram em pouco mais de uma semana trouxeram de volta ecos das tensões entre os dois países de 2017.

A escalada norte-coreana e o estilo heterodoxo do então presidente americano, Donald Trump, levaram a um carrossel de reuniões entre o próprio Trump e o líder do país asiático, Kim Jong-un, o que aliviou as tensões, embora tenham gerado um impasse nas negociações que persiste até hoje.

Entretanto, o futuro panorama diplomático na Península da Coreia não parece estar na mesma direção, em uma época em que o país asiático permanece mais fechado em si mesmo do que nunca devido à pandemia de covid-19. O fato é que, desde janeiro de 2020, está com as fronteiras bem fechadas e não tem nenhum plano de vacinação em vista.

Em relação ao lançamento de hoje, o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul (JCS) informou em um comunicado que foram detectados dois projéteis que se acredita serem mísseis balísticos de curto alcance lançados perto de Uiju, na província de Pyonyan do Norte, perto da fronteira com a China.

Os mísseis foram disparados às 14h41 e 14h52 (hora local; 2h41 e 2h41 de Brasília) na direção do Mar do Japão (chamado de Mar do Leste nas duas Coreias) e percorreram cerca de 430 quilômetros, alcançando uma altitude máxima de cerca de 36 quilômetros, de acordo com o JCS.

A inteligência militar de Coreia do Sul e EUA ainda analisa as especificações detalhadas de ambos os projéteis.

Por sua vez, o governo do Japão disse que acredita se tratar de um único míssil balístico, enquanto a agência de notícias japonesa Kyodo informou, citando uma fonte do governo, que o míssil caiu no Mar do Japão, fora da zona econômica exclusiva do país (ZEE).

Em 5 e 11 de janeiro, o regime norte-coreano disparou o que alega serem mísseis hipersônicos, embora Seul e Tóquio, cujos sistemas de radar tiveram inicialmente problemas para estabelecer os padrões de voo destes projéteis, tenham insistido em suas análises que eram mísseis balísticos que mostram uma grande capacidade de manobra.

Seul insistiu que é capaz de "detectar e interceptar" esses projéteis e que Pyongyang - que afirma que com esses testes desenvolveu com sucesso a tecnologia hipersônica - ainda não possui o conhecimento ou a tecnologia para fabricar este tipo de armamento.

Por sua vez, o Conselho Nacional de Segurança da Coreia do Sul (NSC) lamentou mais uma vez o teste do país vizinho e ressaltou que eles não ajudam a estabilizar a situação em um momento delicado, com os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim programados para começar em três semanas e com as eleições presidenciais na Coreia do Sul marcadas para daqui a dois meses.

O teste norte-coreano de hoje aconteceu horas depois de Pyongyang ameaçar responder de forma mais forte e determinada às novas sanções que os EUA aprovaram nesta semana contra cidadãos norte-coreanos acusados de fornecer, do exterior, materiais e tecnologia para o programa de armamento do regime.

A embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, também declarou nesta semana que Washington está pressionando o Conselho de Segurança para impor sanções adicionais à Coreia do Norte como punição por todos os lançamentos que realizou desde setembro do ano passado.

Violações

O governo americano acredita que a Coreia do Norte utilizou mísseis balísticos nestes testes, em violação às resoluções de sanções anteriores aprovadas desde 2006 para punir o programa de armamento do país asiático.

Em uma mensagem transmitida no dia de ano-novo, Kim, de forma surpreendente, evitou enviar uma mensagem aos EUA e garantiu que a prioridade do regime é a economia doméstica e o fortalecimento da defesa nacional.

O próprio Kim, no ano passado, rejeitou as ofertas dos EUA para tentar retomar o diálogo sobre a desnuclearização, paralisado após a fracassada cúpula de Hanói com Trump, em 2019, argumentando que Washington mantém uma atitude hostil em relação a seu governo. 

Reação 

O Reino Unido condeou os testes desta sexta-feira, dizendo que eles são uma ameaça à paz regional e pediu a Pyongyang que se abstenha de mais provocações. "É fundamental que as sanções contra o desenvolvimento ilegal de armas da RPDC (República Popular Democrática da

 Coreia) permaneçam em vigor enquanto seus programas existirem", disse uma porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. "Pedimos à Coreia do Norte que se abstenha de mais provocações e volte a dialogar com os EUA."/EFE e REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.