AFP PHOTO / KIM Won-Jin
AFP PHOTO / KIM Won-Jin

Coreia do Norte ignora ONU e promete mais mísseis

Em uma nota publicada hoje, a agência oficial de notícias norte-coreana, a KCNA, cita Kim, anunciando 'mais exercícios de disparos de mísseis balísticos no futuro, com seu alvo no Pacífico'

O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2017 | 15h17

NOVA YORK - O presidente norte-coreano, Kim Jong-un, prometeu novos lançamentos de mísseis sobre o Japão e garantiu que o tiro de terça-feira - condenado pela ONU por unanimidade - é apenas um "prelúdio".

O lançamento acima do arquipélago japonês de um Hwasong-12 de alcance médio representa uma nova escalada na crise norte-coreana, um mês depois de Pyongyang ter lançado dois mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) com potencial para alcançar boa parte do continente americano.

Naquele momento, o presidente americano, Donald Trump, ameaçou a Coreia do Norte com uma chuva de "fogo e fúria". Pyongyang rebateu, prometendo uma salva de mísseis próximo de Guam, um território americano do Pacífico, onde vivem 6 mil soldados dos EUA e abriga instalações estratégicas.

Nesta quarta-feira, Trump afirmou que discutir com a Coreia do Norte "não é a solução", dando a entender, em um tuíte ambíguo, que a busca por uma solução diplomática com o regime de Pyongyang está condenada ao fracasso.

"Os Estados Unidos estão conversando com a Coreia do Norte, e pagando dinheiro de extorsão, há 25 anos. Conversar não é a solução", tuitou o presidente.

Mas seu secretário de Defesa, Jim Mattis, declarou que ainda há lugar para a diplomacia com a Coreia do Norte. "Nunca descartamos as soluções diplomáticas", disse ao iniciar uma reunião com seu colega da Coreia do Sul, Song Young-moo.

"Continuamos trabalhando juntos e o ministro e eu compartilhamos a responsabilidade de garantir a proteção de nossas nações, nossos cidadãos e nossos interesses", garantiu.

O Conselho de Segurança da ONU, que impôs recentemente uma sétima série de sanções a Pyongyang, condenou "firmemente" o lançamento do míssil norte-coreano.

Pequim e Moscou, dois aliados-chave de Pyongyang, apoiaram o texto, que não preveem um reforço imediato nas sanções contra a Coreia do Norte.

O Rodong Sinmun, jornal oficial do partido único no poder na Coreia do Norte, publicou nesta quarta-feira, 30, cerca de 20 fotos do disparo. Em uma delas, vê-se um jovial Kim Jong-un rodeado por seus conselheiros, com um mapa do noroeste do Pacífico em seu escritório.

Em outra imagem, ele aparece observando o míssil lançado de Sunan, próximo a Pyongyang. O projétil percorreu 2,7 mil quilômetros, a uma altitude máxima de 550 km, antes de cair no Pacífico.

Em uma nota publicada hoje, a agência oficial de notícias norte-coreana, a KCNA, cita Kim, anunciando "mais exercícios de disparos de mísseis balísticos no futuro, com seu alvo no Pacífico".

O lançamento de terça foi "um prelúdio importante para conter Guam, base avançada da invasão", declarou, referindo-se a um "avanço das contramedidas" frente às manobras militares que os Exércitos americano e sul-coreano estão realizando na Coreia do Sul.

Pyongyang considera que esses exercícios militares são um ensaio geral de uma invasão a seu território.

É a primeira vez que Pyongyang declara ter enviado um míssil sobre o território japonês. Em 1998 e em 2009, a Coreia do Norte havia lançado foguetes que sobrevoaram o Japão, mas, em ambas as ocasiões, Pyongyang havia argumentado que se tratava de veículos espaciais.

Neste contexto, nesta quarta, o Exército dos Estados Unidos interceptou um míssil de médio alcance no litoral do Havaí, um teste bem sucedido-sucedido do sistema de interceptação com o qual o Japão tenta reforçar sua defesa ante a Coreia do Norte.

O teste foi realizado pela Agência de Defesa de Mísseis (MDA) e a Marinha americanas a partir do navio USS John Paul Jones, um destróier lança-mísseis.

Milhões de habitantes do norte do Japão, que não cederam ao pânico, acordaram ontem com uma mensagem de alerta do governo, enquanto pelos alto-falantes se ouvia: "Lançamento de míssil. Abriguem-se!".

"As ações ameaçadoras e desestabilizadoras apenas aumentam o isolamento do regime da Coreia do Norte na região e entre todas as nações do mundo", declarou Trump em um comunicado.

Pouco depois, sua embaixadora na ONU, Nikki Haley, reivindicou "uma decisão forte". Segundo fontes diplomáticas, a ONU contemplaria a possibilidade de sancionar Pyongyang, deportando os trabalhadores norte-coreanos empregados no exterior, ou com medidas que afetem o setor do petróleo.

O principal desafio da ONU era mostrar que a unidade internacional se mantém — com Rússia e China — e chegar a um acordo sobre uma resposta rápida após o disparo do míssil, de acordo com uma fonte diplomática.

O ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, indicou hoje que seu país está conversando com seus sócios do Conselho de Segurança sobre qual "reação" deve ser adotada. Yi ressaltou a importância de um consenso. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.