Coréia do Norte interrompe desarmamento nuclear

A Coréia do Norte anunciou hoje a interrupção do desmantelamento de seu arsenal nuclear e afirmou que considera a possibilidade de reabilitá-lo. O Ministério do Interior do país informou que o governo tomou a decisão depois que os Estados Unidos desistiram de retirar o país comunista de sua lista de financiadores de terrorismo. O anúncio representa o maior impasse até agora para o processo de desarmamento da nação comunista. A medida deve aumentar as tensões nas conversas sobre o tema, que envolvem EUA, Rússia, China, Japão e a Coréia do Sul, além de Pyongyang.Segundo o Ministério de Relações Exteriores da Coréia do Norte, os países envolvidos nas negociações foram notificados da suspensão. O anúncio afirmou ainda que o país "considera em breve um passo para restaurar" as instalações de Yongbyon. Porém, não explicou como nem quando isso ocorreria. Os Estados Unidos reagiram com calma e mantiveram sua posição. A porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, afirmou que o país será retirado dessa lista quando "cumprir seu compromisso em relação à verificação". A secretária de Estado, Condoleezza Rice, disse que Pyongyang "ainda tem obrigações" a cumprir, acrescentando que as negociações prosseguiam.Funcionários sul-coreanos e japoneses lamentaram a decisão da Coréia do Norte. "Nós recebemos isso com muita preocupação", avaliou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Japão, Kazuo Kodama, em Tóquio. A retirada da lista de países financiadores de terrorismo é uma das principais concessões oferecidas a Pyongyang, em troca do fim de seu programa nuclear. No fim de junho, Washington anunciou que retiraria o país da relação, após este entregar um levantamento de seus programas nucleares e explodir a torre de resfriamento de um reator, em um gesto simbólico para demonstrar seu compromisso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.