Coreia do Norte lança novo míssil de curto alcance

Mais cedo, outros dois projéteis haviam sido disparados em resposta às críticas da comunidade internacional

AP, Efe e Reuters,

26 de maio de 2009 | 19h56

Militares norte-coreanos comemoram sucesso de testes nuclear e de mísseis. Foto: Reuters

 

SEUL - A Coreia do Norte lançou nesta terça-feira, 26, pelo terceiro dia consecutivo, um míssil de curto alcance em sua costa oriental, informaram fontes oficiais sul-coreanas citadas pela agência local Yonhap. Na segunda-feira, o regime comunista norte-coreano realizou um teste nuclear subterrâneo e disparou três mísseis balísticos. Mais cedo, nesta terça, lançou mais dois projéteis de curto alcance, ignorando a grande condenação internacional por seus experimentos atômicos. 

 

Veja também:

linkEUA, Coreia do Sul e Japão se reunirão por impasse nuclear

linkBrasil quer promover diálogo com Coreia do Norte

linkPyongyang ameaça obstruir acordo nuclear mundial

linkTeste mostra domínio de todos os estágios

video TV Estadão: Roberto Godoy analisa o novo teste nuclear do país

especial Especial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

O governo de Pyongyang advertiu que enquanto continuarem as pressões internacionais, seguirá "defendendo sua segurança". "Uma vez que o Conselho de Segurança (da ONU) viola nosso desenvolvimento soberano, adotando sanções contra a Coreia do Norte e seu povo, não podemos fazer outra coisa senão adotar medidas suplementares de legítima defesa", disse um representante norte-coreano em Genebra.

 

Ele acrescentou que essas medidas "incluem realizar testes nucleares e disparos de mísseis". Para os EUA, a Coreia do Norte "está testando se pode intimidar a comunidade internacional" com sua atividade nuclear e de mísseis, disse Susan Rice, embaixadora dos Estados Unidos na ONU. "Mas nós estamos unidos, a Coreia do Norte está isolada e a pressão sobre eles irá crescer", acrescentou. Segundo ela, o regime comunista "pagará um preço" pelas atividades atômicas.

 

Fontes sul-coreanas disseram à agência Yonhap que a Coreia do Norte estaria preparando lançamentos adicionais na costa oeste de mísseis anticruzeiro KN-01, similares aos Silk Worm e com um alcance máximo de 160 quilômetros.

 

O governo norte-coreano proibiu a navegação de navios entre os dias 25 e 27 em uma região concreta do litoral oeste da província de Pyongan do Sul, e, por isso, não se descartam lançamentos de outros projéteis. A Defesa da Coreia do Sul estimam que o Norte possua, no total, 800 mísseis, entre eles alguns de longo alcance Taepodong, como o que lançou em 2006, e 200 Rodong, com uma categoria de 1.300 quilômetros

 

COMEMORAÇÃO

 

A alta cúpula do governo norte-coreano comemorou o sucesso do segundo teste nuclear com vários discursos feitos nesta terça-feira em um ginásio em Pyongyang. O líder norte-coreano, Kim Jong Il, de 67 anos, que sofreu um derrame cerebral no ano passado, não compareceu ao ginásio. Potências globais querem novas punições ao país e o presidente dos EUA, Barack Obama, pediu apoio aos vizinhos da Coreia do Norte.

Ao emitir uma condenação unânime - apoiada até mesmo por Rússia e China, tradicionais aliados da Coreia do Norte -, o Conselho de Segurança da ONU lembrou na segunda-feira que os teste nucleares violam a resolução 1718 do órgão, adotada em outubro de 2006, após o primeiro experimento atômico de Pyongyang. O documento proíbe o regime comunista de conduzir qualquer teste nuclear ou de mísseis. O país realizou seu primeiro teste nuclear em 2006.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norteprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.