AP Photo/Wong Maye
AP Photo/Wong Maye

Coreia do Norte lança novo míssil em direção ao mar, diz governo sul-coreano

Este foi o quinto teste nos últimos meses, apesar da pressão internacional e mesmo da aliada China

O Estado de S.Paulo

03 Julho 2017 | 23h05

O regime de Pyongyang lançou mais um míssil balístico, segundo a Coreia do Sul. “A Coreia do Norte lançou um míssil balístico na direção do Mar do Japão, a partir da localidade de Banghyon, por volta das 9h40 (20h40 de ontem no horário de Brasília)”, diz um comunicado do Ministério da Defesa da Coreia do Sul.

Segundo o texto, o míssil pode ter caído no mar territorial japonês. O alto-comando do Exército sul-coreano também confirmou o lançamento. Autoridades da Coreia do Sul estão investigando o tipo e o trajeto do míssil. Este foi o quinto teste de míssil de Pyongyang nos últimos meses, desafiando advertências da ONU e ameaças dos EUA sobre uma possível resposta militar.

A Coreia do Norte realizou em 28 de maio um teste de míssil de curto alcance, que voou durante seis minutos e caiu em águas territoriais japonesas. Duas semanas antes, havia lançado outro míssil balístico da localidade de Kusong, ao norte de Pyongyang. Segundo as autoridades japonesas e sul-coreanas, o míssil alcançou uma altitude de mais de 2 mil quilômetros e voou por 30 minutos antes de cair em águas do Mar do Japão (Mar do Leste). 

O ministro da Defesa da Coreia do Sul, Han Min-koo, disse no mês passado que o programa de mísseis da Coreia do Norte está progredindo mais rápido do que o esperado. 

O ministro disse que  o míssil disparado no dia 13 "era considerado um IRBM (míssil balístico de alcance intermediário) de calibre reforçado quando comparado aos mísseis Musudan, que têm fracassado continuamente", referindo-se a uma classe de mísseis concebidos para viajar de 3 mil a 4 mil quilômetros. Questionado se o programa de mísseis norte-coreano está evoluindo mais rápido do que Seul esperava, ele respondeu: "Sim".

O regime de Kim Jong-un, que desafia todos os pedidos para que contenha seus programas de armas - até mesmo de sua única grande aliada, a China -, busca desenvolver um míssil equipado com uma ogiva nuclear capaz de atingir o território americano.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse em 30 de junho que os programas nuclear e de mísseis balísticos da Coreia do Norte exigem uma “resposta determinada”. “A era de paciência estratégica com o regime da Coreia do Norte tem fracassado. Francamente, a paciência acabou”, disse Trump na Casa Branca, em uma declaração conjunta durante visita do presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in.

A “paciência estratégica” é uma referência à política do ex-presidente Barack Obama de pressionar Pyongyang com o auxílio da China e ignorar as provocações do regime norte-coreano. 

Especialistas concordam que o regime, um dos mais isolados do mundo, fez progressos no sentido de conseguir mísseis nucleares intercontinentais que possam alcançar o território americano. A Coreia do Norte já realizou cinco testes nucleares, os dois últimos em janeiro e setembro de 2016./ AFP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.