SeongJoon Cho/Bloomberg
SeongJoon Cho/Bloomberg

Coreia do Norte lançou dois mísseis balísticos, dizem EUA e Japão

Projéteis caíram em águas próximas ao Japão; provocação aumenta pressão sobre governo Biden

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2021 | 23h33

SEUL - A Coreia do Norte lançou dois mísseis balísticos de curto alcance em sua costa leste nesta quinta-feira, 24 (horário local, noite de quarta-feira no Brasil), em sua primeira provocação significativa contra os Estados Unidos desde que Joe Biden tomou posse, disseram autoridades americanas e japonesas.

A Coreia do Sul confirmou que a Coreia do Norte lançou dois projéteis não identificados, mas o primeiro-ministro Yoshihide Suga, do Japão, foi o primeiro líder regional a identificá-los como "mísseis balísticos". Um oficial sênior dos EUA também confirmou que os projéteis eram mísseis balísticos.

“Isso ameaça a paz e a segurança do Japão e da região e é uma violação das resoluções das Nações Unidas”, disse o líder japonês no Twitter, referindo-se à proibição do Conselho de Segurança das Nações Unidas de desenvolver e testar tecnologias de mísseis balísticos no Norte. “Eu protesto veementemente e condeno veementemente.”

Os mísseis caíram em águas entre a Coreia do Norte e o Japão e fora da zona econômica exclusiva do Japão, disse Suga. Os militares japoneses disseram que os mísseis voaram 280 milhas, atingindo uma altura de 62 milhas. 

Em Tóquio e Seul, os governos reuniram seus conselhos de segurança nacional para discutir o mais recente teste de armas da Coreia do Norte.

As autoridades sul-coreanas estão analisando os dados coletados no lançamento para determinar o tipo de projétil, disseram os militares do país em um breve comunicado. Os militares sul-coreanos usam o termo “projétil não identificado” quando não podem determinar imediatamente se o objeto era um míssil balístico.

No fim de semana, a Coreia do Norte também testou dois mísseis de cruzeiro de curto alcance, confirmaram autoridades de defesa sul-coreanas na quarta-feira. Mas esse teste não violou as resoluções da ONU, que proíbem a Coreia do Norte de desenvolver ou testar tecnologias de mísseis balísticos.

O teste anterior ocorreu na costa oeste da Coreia do Norte no domingo, poucos dias depois de o país ter acusado os Estados Unidos e a Coreia do Sul de criarem “um fedor” na Península Coreana com seus exercícios militares anuais.

O programa de armas da Coreia do Norte tem sido um problema espinhoso para os últimos quatro presidentes dos EUA. Cada um abordou o país com diferentes incentivos e sanções, mas todos falharam em persuadi-lo a parar de construir ogivas nucleares e os mísseis para lançá-las.

Analistas estão observando de perto Washington para ver se a abordagem de Biden para a Coreia do Norte seguirá a do ex-presidente Barack Obama, ao invés do engajamento mais direto de Trump. /NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.