KCNA / KNS / AFP
KCNA / KNS / AFP

Coreia do Norte libertará turista japonês preso no país, afirma agência

Cinegrafista Tomoyuki Sugimoto é suspeito de filmar em uma instalação militar localizada no oeste do país; 'KCNA' não detalhou quando ele seria libertado

O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2018 | 06h05

SEUL - A Coreia do Norte libertará “por razões humanitárias” um turista japonês preso em seu território, anunciou a agência oficial norte-coreana KCNA.

“Tomoyuki Sugimoto, que visitou recentemente a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) como turista japonês, foi colocado sob o controle da instituição competente para uma investigação de seu delito, cometido contra a lei de RPDC”, indicou no domingo, 26, a KCNA, citando o nome oficial do regime.

Não há muitas informações sobre Sugimoto. Os veículos de comunicação japoneses afirmaram que se trata de um cinegrafista que havia se mudado para a Coreia do Norte como parte de uma viagem organizada por uma empresa estrangeira.

Ele é suspeito de filmar em uma instalação militar no Porto de Nampo, oeste do país, segundo fontes governamentais japonesas citadas pela imprensa local.

Reveja: esperança e indiferença na fronteira entre as Coreias

Ainda não se sabe se Sugimoto é culpado e a agência não detalhou quando ele poderia ser libertado. “As instituições competentes da RPDC decidiram perdoá-lo com clemência e expulsá-lo da RPDC por razões humanitárias”, indicou a KCNA. O ministro japonês das Relações Exteriores não quis comentar o caso.

Frequentemente Pyongyang prende estrangeiros sob acusações de espionagem para utilizá-los com fins diplomáticos. Três americanos foram libertados em maio em razão de uma visita à Coreia do Norte do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.

As relações entre as Coreias melhoraram de forma considerável desde o começo do ano, e em abril foi realizada uma reunião entre os líderes dos dois países. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.