Coreia do Norte mata dois militares em ataque a ilha sul-coreana

Seul acusa Pyongyang de violar armistício que interrompeu a Guerra da Coreia, em 1953

estadão.com.br

23 de novembro de 2010 | 05h38

Atualizado às 9h55

 

Sul-coreanos observam a atingida ilha de Yeonpyeong, perto da fronteira marítima.

 

SEUL - O Exército da Coreia do Norte realizou nesta terça-feira, 23, uma série de disparos de artilharia em sua costa ocidental contra o território sul-coreano na zona fronteiriça do Mar Amarelo. Os disparos deixaram ao menos dois soldado sul-coreanos mortos e 17 militares e três civis feridos, informou a agência sul-coreana Yonhap.

Veja também:

blog Radar Global: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países

 

As autoridades sul-coreanas declararam que o ataque norte-coreano viola o armistício firmado entre em 1953, que interrompeu a Guerra da Coreia. Além disso, o Ministro da Unificação de Seul disse que as negociações com a Cruz Vermelha, nas quais seriam discutidas as ajudas a Pyongyang, foram adiadas indefinidamente.

Segundo fontes militares da Coreia do Sul, por volta das 14h24 da hora local (3h24 de Brasília) os norte-coreanos dispararam várias vezes, atingindo as águas da Coreia do Sul e a ilha sul-coreana de Yeongpyeong, onde vivem entre 1.200 e 1.300 habitantes. Segundo a agência, as pessoas estão aterrorizadas e evacuando a ilha. Entre 60 e 70 casas foram incendiadas por conta do bombardeio.  

O Exército da Coreia do Sul respondeu com outra rajada de disparos contra a Coreia do Norte. Além disso, foi elevado o alerta na região após o ataque norte-coreano, disse o porta-voz do Estado Maior do Exército sul-coreano.

 

A Coreia do Norte acusa Seul de ter disparado primeiro e prometeu mais represálias. Após o ataque, a Coreia do Sul informou que conduzia exercícios militares no momento em que foram lançados os projéteis, mas afirmou que disparou para o oeste, em não em direção ao norte, o que não justifica a ofensiva de Pyongyang.

A ilha sul-coreana de Yeongpyeong fica próxima da linha que divide as águas das duas Coreias, no Mar Amarelo. Desta vez, porém, os disparos norte-coreanos alcançaram o local. O Exército verifica se há vitimas civis.

Os disparos norte-coreanos coincidem com manobras rotineiras das Forças Armadas sul-coreanas em águas próximas a essa ilha e com o aumento das críticas a Pyongyang pela suspeita de ter ampliado seu programa nuclear com o enriquecimento de urânio.

O aumento da tensão com o incidente levou o governo de Seul a considerar a evacuação dos sul-coreanos da zona industrial conjunta de Kaesong (Coreia do Norte), no que parece ser um dos ataques mais graves desde o afundamento, em março, da corveta sul-coreana Cheonan, no qual morreram 46 tripulantes.

Seul quer evitar conflito

O presidente da Coreia do Sul, Lee Myung-bak, disse que está tentando evitar que o ataque norte-coreano torne-se uma escalada para um grande conflito entre os dois países vizinhos, reportou a agência de notícias Yonhap.

A televisão YTN reportou que Seul está em alerta para uma grande resposta, caso a Coreia do Norte continue com as provocações. O governo sul-coreano inclusive encaminhou para a região do conflito vários aviões de guerra F-16.

 

Os dois países se encontram tecnicamente em conflito desde que a Guerra da Coreia (1950-1953) foi encerrada com um armistício em vez de um tratado de paz. Desde então, o acirramento das tensões entre as duas nações asiáticas é frequente.

 

Leia ainda:

linkEUA e UE condenam ataque norte-coreano

linkJapão fica em alerta devido a conflito entre Coreias

linkPyongyang acusa Seul de disparar primeiro

 

Com informações das agências Efe, Reuters e Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.