Coréia do Norte não cumpre prazo para desligar reator

O governo norte-coreano não cumpriu o prazo, que se encerrou neste sábado, 14, para desativar seu principal reator nuclear, e um importante negociador americano disse que o descumprimento da determinação retira impulso do plano internacional para o desarmamento do país comunista.Os EUA e outros governos, envolvidos nas conversações entre seis nações sobre o programa nuclear da Coréia do Norte, pediram que Pyongyang cumpra o acordo, firmado há dois meses, que define o cronograma do desarmamento nuclear do país. O secretário-assistente de Estado Christopher Hill, principal negociador americano, parecia preocupado."Não temos muito impulso, agora. Isso é uma certeza", disse ele a jornalistas, antes de uma reunião com o negociador chinês Wu Dawei, depois de reunir-se com os negociadores da Coréia do Sul e do Japão.O descumprimento do prazo deste sábado marca o mais recente revés de um acordo que, quando firmado, em fevereiro, oferecia a possibilidade de desarmamento da mais nova potência nuclear declarada do mundo.Sob o cronograma original - fechado em acordo que envolveu China, Rússia, Japão, Coréia do Sul, EUA e Coréia do Norte - Pyongyang deveria ter desativado seu principal reator, em Yongbyon, permitindo que inspetores da ONU verificassem o fechamento, num prazo de 60 dias. Em contrapartida, a Coréia do Norte receberia 50.000 toneladas de petróleo.Mas o cronograma se perdeu, por conta de uma disputa em torno de depósitos norte-coreanos, congelados em um pequeno banco de Macau, acusado pelos EUA de lavagem de dinheiro e falsificação. A Coréia do Norte recusa-se a seguir com o desarmamento até que o dinheiro seja liberado.Hill havia prometido resolver a questão até meados de março, mas os fundos só foram liberados ao longo da última semana. passada.Autoridades não esperam que o descumprimento do prazo interrompa de vez as negociações para o desarmamento norte-coreano, mas a situação representa mais uma evidência da falta de confiança mútua entre Washington e Pyongyang. A despeito do descumprimento do prazo acertado em fevereiro, o governo da Coréia do Norte reafirmou, na sexta-feira, 13, seu compromisso com a desativação do reator, declarando aguardar, apenas, a confirmação da liberação do dinheiro.O único efeito imediato do descumprimento do prazo será a não-entrega do petróleo prometido aos norte-coreanos, ao menos por enquanto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.