Coreia do Norte pede aos EUA que voltem ao diálogo bilateral

Kim Jong-il estaria disposto a retomar o diálogo de seis lados dependendo de suas negociações com Washington

EFE

02 Novembro 2009 | 01h31

A Coreia do Norte pediu nesta segunda-feira, 2, aos EUA para empreender o esperado diálogo bilateral para sua desnuclearização, ao assegurar que já "é hora" que "tome uma decisão" a respeito, segundo informou a agência oficial norte-coreana KCNA.

 

Veja também:

especialEspecial: As origens do impasse norte-coreano

especialEspecial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

Um porta-voz do Ministério de Exteriores do regime comunista lembrou que a Coreia do Norte manifestou sua intenção de retornar à mesa de diálogo multilateral em função do resultado da negociação bilateral com Washington.

 

"É hora de os EUA tomarem uma decisão", acrescentou o porta-voz, que destacou a necessidade de impulsionar um diálogo bilateral na busca de uma "solução racional" antes de retomar a reunião de seis lados, que envolve também China, Japão, Rússia e Coreia do Sul.

 

Em outubro o líder norte-coreano, Kim Jong-il, se mostrou disposto a retomar o diálogo de seis lados dependendo do resultado de suas negociações bilaterais com Washington, que em setembro confirmou sua intenção de dialogar tête-à-tête com o regime comunista.

 

O porta-voz norte-coreano assegurou hoje que haveria um "progresso significativo" no processo de desarmamento nuclear na península coreana se cessar a relação hostil entre Pyongyang e Washington e for criado um ambiente de confiança.

 

"Se os EUA não estão dispostos ainda a se sentar à mesa tête-à-tête conosco, cada um teria que seguir seu caminho", disse o porta-voz se referindo a que seu país continuaria com o desenvolvimento de armas atômicas. As negociações multilaterais de seis lados estão paralisadas desde dezembro de 2008 devido à rejeição de Pyongyang.

 

Em abril o país comunista anunciou seu abandono definitivo dessas conversas multilaterais por causa da condenação unânime do Conselho de Segurança da ONU por causa do lançamento de um foguete de longo alcance, a que seguiu em maio um teste nuclear.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.