Coréia do Norte pede diálogo com Washington

A Coréia do Norte pediu a abertura de conversações diretas com os Estados Unidos a fim de evitar um conflito no qual possa se ver obrigada a utilizar mísseis equipados com ogivas nucleares, informou a agência sul-coreana "Yonhap". Um político norte-coreano citado pela agência disse que a Coréia do Norte exige garantias de segurança para seu regime e que os EUA estão rejeitando os convites ao diálogo.A Coréia do Norte realizou na segunda-feira um teste nuclear subterrâneo, destinado, segundo o regime comunista, a aumentar seu poder de dissuasão. A explosão foi condenada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, em reunião urgente que abriu as portas a possíveis sanções contra o regime norte-coreano.O representante norte-coreano não descartou a possibilidade de seu país realizar novos testes nucleares, daí a necessidade de um acordo. "Queremos que a situação se resolva antes da infeliz possibilidade de precisarmos disparar mísseis nucleares. Isto vai depender de como os EUA vão agir", disse o diplomata norte-coreano, citado pela agência de notícias japonesa "Kyodo"."Precisamos de segurança para a Coréia do Norte, inclusive garantias de sobrevivência para nosso regime", acrescentou. O representante norte-coreano acusou os EUA de evitar conversações bilaterais diretas. "Os EUA mantêm as ameaças, enquanto rejeitam o convite ao diálogo" da Coréia do Sul, queixou-se.Ao ser perguntado pelas razões que levaram seu país a realizar o teste atômico, o político norte-coreano ressaltou que era "o seu direito como nação independente e soberana" da Coréia do Norte."Política e diplomaticamente, expressamos nossa vontade de conversar cara a cara na mesa de negociações com os EUA", disse.Quanto às relações com o governo chinês após o teste nuclear, o comentário foi firme: "A China não nos abandonará". No entanto, o governo chinês apoiou no Conselho de Segurança a condenação internacional ao regime norte-coreano pela realização do teste atômico.A China pediu também ao regime norte-coreano que cumpra seus compromissos de manter a península coreana livre de armas nucleares, que não dê nenhum passo que possa piorar a atual situação e que volte às conversações multilaterais sobre seus programas nucleares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.