Coreia do Norte pede negociações diretas com os EUA

País pode até voltar à mesa multilateral, mas está no estágio final da reativação de seu programa nuclear

Associated Press, Agência Estado, Reuters e Efe,

06 de outubro de 2009 | 11h13

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong Il, anunciou nesta terça-feira, 6, que pode retomar as conversas multilaterais sobre o desarmamento do país e renovou seu pedido por conversas diretas com os EUA, segundo a mídia estatal norte-coreana.

 

Veja também:

especialEspecial: As origens do impasse norte-coreano

especialEspecial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

"As relações hostis entre a Coreia do Norte e os EUA devem se converter em laços pacíficos através de conversas bilaterais sem erros", afirmou Kim segundo a agência de notícias coreana KCNA. "Expressamos nossa prontidão para uma conversa multilateral, dependendo do resultado do diálogo entre Coreia e Estados Unidos. As seis potências mundiais também estão incluídas nas conversas multilaterais", concluiu Jong Il.

 

A oferta do líder norte-coreano reflete o desejo da nação por negociações diretas com Washington. A administração do presidente Barack Obama afirma que isso pode ocorrer, mas que essas conversas não devem se sobrepor às negociações em seis partes pelo fim do programa nuclear do país asiático.

 

Kim havia dito ao primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, na segunda-feira, que seu país "deseja comparecer às conversas multilaterais, incluindo as em seis partes (sobre seu programa nuclear), dependendo do progresso de suas conversas com os EUA", afirmou a agência estatal Xinhua.

 

"Kim Jong Il quer mostrar através das conversas bilaterais com os EUA que seu país é um parceiro equivalente aos EUA, e que isso fortalecerá sua posição antes do retorno do diálogo em seis partes", avaliou o analista Lee Sang-hyun, do Instituto Sejong, um centro de estudos sul-coreano.

 

Os comentários de Kim são a indicação mais clara até o momento de que Pyongyang pode retornar às discussões sobre seu programa nuclear. O país se retirou da mesa de negociações após realizar um teste de foguete em abril e um segundo teste nuclear em maio. Anteriormente, o regime norte-coreano chegou a dizer que nunca retomaria as negociações multinacionais com os EUA, a Coreia do Sul, o Japão, a Rússia e a China. Nas últimas semanas, Pyongyang tem moderado suas declarações, sinalizando seu desejo de retomar o diálogo.

 

Reativação

 

A agência sul-coreana Yonhap informou também nesta terça que as autoridades acreditam que a Coreia do Norte está no estágio final para restaurar seu programa nuclear. O país chegou a se comprometer com o fim desse programa em 2007.

 

"Há indícios que o restabelecimento da central de Yongbyon está na fase final", disse uma fonte do governo sul-coreano sem identificar, que acrescentou que Pyongyang iniciou no início do ano os passos para reativar suas instalações nucleares. As mesmas fontes assinalaram que os serviços de inteligência da Coreia do Sul e EUA chegaram a essa conclusão após vigiar as instalações nucleares da Coreia do Norte desde que Pyongyang anunciou em abril que iria reativar suas centrais.

 

O reator nuclear de Yongbyon foi submetido a um processo de desmantelamento após um acordo alcançado em 2007 entre os países participantes das negociações multilaterais, mas o país anunciou que reativaria a central em protesto pela condenação do Conselho de Segurança da ONU pelo lançamento de seu foguete de longo alcance.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.