KCNA via Reuters
KCNA via Reuters

Coreia do Norte planeja fortalecer 'dissuasão nuclear'

De acordo com mídia estatal, reunião do Partido analisou 'uma série de tendências nas atividades político-militares das forças armadas' e apresentou 'novas diretrizes'

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2020 | 21h58

SEUL - Em sua primeira aparição pública em mais de três semanas, o líder norte-coreano Kim Jong-un liderou uma reunião com líderes militares e políticos na qual, entre outras questões, novas medidas foram tomadas "para fortalecer ainda mais a dissuasão militar do país", informou neste sábado, 23, a agência de notícias oficial da Coreia do Norte KCNA.

As notícias não indicam quando foi realizada a reunião da Comissão Militar Central do Partido Trabalhista Coreano (PTC), mas geralmente quando a KCNA relata atividades dessa natureza elas aconteceram no dia anterior.

A última vez que o líder norte-coreano apareceu na mídia estatal do país foi em 2 de maio, após uma ausência de três semanas, em um evento realizado para inaugurar uma fábrica de fertilizantes, encerrando vários rumores que envolviam problemas graves de saúde e até mesmo morte. 

Segundo as informações divulgadas hoje pela KCNA, que são acompanhadas por uma dúzia de fotografias de Kim e de quem se reuniu com ele, a reunião serviu para analisar "uma série de tendências nas atividades político-militares das forças armadas".

"Novas diretrizes foram apresentadas para fortalecer ainda mais a dissuasão nuclear do país e operar as forças armadas estratégicas em estado de alerta máximo", diz o texto.

Também foram acordadas medidas "para aumentar decisivamente a capacidade de atacar com fogo de artilharia" do Exército da Coreia do Norte, acrescenta o texto.

Esta reunião foi realizada em meio a um novo impasse nos contatos entre Washington e Pyongyang para conseguir a desnuclearização da península coreana. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Kim Jong-uncoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.