Coréia do Norte pode tomar medidas fortes contra sanções

Kim Yong Chun, chefe do exército da Coréia do Norte, afirmou neste sábado que vai tomar medidas fortes contra as sanções impostas ao país pelos Estados Unidos, segundo informações da imprensa norte-coreana. A afirmação foi feita depois do fim dos diálogos, sem sucesso, para tentar pôr fim ao programa nuclear da Coréia do Norte.Chun acusou os Estados Unidos de uma decisão unilateral, obrigando o país a interromper seu programa nuclear além de impor restrições financeiras ao regime norte-coreano.Os diálogos sobre o programa nuclear da Coréia do Norte terminaram na sexta-feira em Pequim, depois de ficarem 13 meses interrompidos. Os norte-coreanos boicotaram as sanções impostas pelos Estados Unidos. Em 2005, os norte-coreanos afirmaram que iriam abandonar seu programa caso recebesse garantia de segurança. Segundo informações de pessoas que fizeram parte das negociações, a Coréia do Norte se negou a dialogar sobre seu programa nuclear, enquanto os Estados Unidos mantém suas restrições financeiras."Sanções e pressões não vão funcionar com a Coréia do Norte. Se as hostilidades continuarem contra a Coréia, vamos tomar contramedidas ainda mais fortes", afirmou Chun, em um discurso para centenas de funcionários do governo e do exército em Pyongyang, capital da Coréia do Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.