Coreia do Norte poderá no futuro atacar EUA, diz relatório

Documento do Pentágono mostra que Pyongyang continua desenvolvendo tecnologias nucleares

Reuters,

03 de maio de 2013 | 14h05

WASHINGTON - O continuado desenvolvimento de tecnologias nucleares e balísticas deixará a Coreia do Norte mais próxima de ser capaz de atingir os Estados Unidos com uma bomba atômica, disse um novo relatório do Pentágono entregue na quinta-feira ao Congresso americano.

Esse texto, primeira versão de uma avaliação anual solicitada por lei, diz que o míssil norte-coreano Taepodong-2, que continua em desenvolvimento, poderá no futuro ser capaz de atingir parte do território continental dos EUA transportando uma carga nuclear, caso seja configurado como míssil intercontinental balístico.

Em dezembro, a Coreia do Norte lançou um foguete em vários estágios para colocar um satélite em órbita, um avanço que, segundo o Pentágono, "contribui fortemente" para o desenvolvimento dos mísseis balísticos de longo alcance.

Além disso, a Coreia do Norte continua aperfeiçoando suas armas nucleares e em fevereiro testou pela terceira vez um artefato desse tipo, podendo repetir a experiência "a qualquer momento". "Esses avanços nos sistemas de lançamento de mísseis balísticos, junto com desenvolvimentos na tecnologia nuclear, estão de acordo com o objetivo declarado da Coreia do Norte de ser capaz de atingir o território dos EUA", aponta o relatório.

"A Coreia do Norte vai se aproximar desse objetivo e também aumentar a ameaça que ela impõe às forças dos EUA e aliados na região se continuar testando e devotando os escassos recursos do regime a esses programas", acrescenta o documento.

O relatório surge em um momento delicado na região, em que os atritos entre Washington e Pyongyang só agora começam a se acalmar, após dois meses de retórica cada vez mais belicista.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.