Coreia do Norte produz documentário sobre Kim Jong-Il

Produção de biografia sugere que saúde do líder estaria fragilizada e sucessor seria seu filho mais novo

Associated Press,

16 de julho de 2009 | 13h52

O governo da Coreia do Norte começou a produzir um documentário sobre a vida de seu atual líder, Kim Jong-Il, informou nesta quinta-feira, 16, o diário sul-coreano Chosun Ilbo. O fato de um filme sobre o ditador norte-corenoa de 67 anos, estar sendo feito levanta novamente as discussões sobre quem assumirá o poder no país. Em 1993, foi produzido um filme sobre o antigo líder e pai de Jong-Il, Kim Il Sung, que morreu de doenças cardíacas um ano depois.

 

Veja também:

Em meio a especulações sobre sua saúde, Kim visita fábrica

 

O professor Koh Yu-hwan, da Universidade Dongguk de Seul, crê que o filme tem o objetivo de deixar claras as intenções de nomear um dos filhos de Kim como o próximo líder. "Uma biografia seria facilmente comparada com a de Kim Il Sung. Isso poderia ser usado para mostrar a inevitabilidade de um filho do líder assumir o poder, fazendo com que o povo norte-coreano aceite isso como uma tradição". Desde o começo deste ano, especula-se que o caçula, Kim Jong Un, será seu sucessor, embora o governo não tenha feito nenhum anúncio oficial.

 

  Sequência mostra imagens de Kim entre 2004 e 2009. Fotos: Reuters

 

A agência de notícias estatal de Pyongyang disse na quarta-feira que o país já produziu a primeira parte da biografia cinematográfica de Kim, que "compreensivelmente mostrará o imortal 'songun' (punho de ferro) com o qual o líder norteou suas ações revolucionárias".

 

A primeira parte do filme é sobre o nascimento e a juventude de Kim, e como desenvolveu "ideias e teorias militares e táticas do presidente Kim Il Sung", segundo a Agência Coreana Central de Notícias. É a primeira vez que a Coreia do Norte produz um filme sobre o atual líder, embora o regime já tenha feito vários documentários sobre suas atividades públicas.

 

Desde 1994, Kim esteve no poder da Coreia do Norte com extrema autoridade, o que traz preocupações sobre possíveis crises políticas caso ele morra sem deixar o nome de um sucessor. Um canal de notícias sul-coreano informou recentemente que o líder, a quem acreditam ter sofrido um derrame cerebral, também teria um câncer no pâncreas e não viverá por mais de cinco anos.

 

A televisão estatal norte-coreana mostrou recentemente imagens de um documentário no qual o líder aparece apenas um pouco mais magro. Em sua última aparição ao vivo, entretanto, Kim tinha a aparência pálida e seu cabelo estava rareando, sugerindo que sua saúde esteja fragilizada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.