Coreia do Norte promete guerra se for punida pela ONU

Pyongyang exige enviar sua equipe para investigar o naufrágio do navio sul-coreano pelo [br]qual é acusado

, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2010 | 00h00

O embaixador da Coreia do Norte na ONU, Sin Son-ho, advertiu ontem que Pyongyang reagirá militarmente caso o Conselho de Segurança da organização condene o país pelo naufrágio do navio sul-coreano Cheonan.

As delegações das duas Coreias apresentaram separadamente aos 15 países do Conselho de Segurança suas versões sobre o incidente de 26 de março, no qual 46 marinheiros sul-coreanos morreram. O presidente do Conselho, o mexicano Claude Heller, pediu às duas partes que "evitem qualquer ato que possa aumentar as tensões na região".

"Não queremos que o Conselho de Segurança tome medidas para nos provocar", disse o embaixador norte-coreano em rara entrevista coletiva. Eventuais ações da ONU contra a Coreia do Norte serão "acompanhadas de medidas por parte de nossas forças militares", advertiu o diplomata. "Se qualquer ação for tomada pelo Conselho, eu perco meu trabalho e os militares terão de fazer o seu", afirmou.

Uma investigação internacional liderada pela Coreia do Sul concluiu que um submarino norte-coreano lançou um torpedo contra a corveta sul-coreana no Mar Amarelo. O diplomata norte-coreano reiterou que as acusações de Seul são fabricadas por "motivos políticos" e eleitorais e exigiu que Pyongyang possa enviar sua própria equipe de investigação ao local do incidente.

O embaixador disse ainda que os Estados Unidos também se beneficiaram do incidente, que contribuiu para que o Japão recuasse de suas exigências para que os americanos fechassem sua base militar na Ilha de Okinawa.

Sin lembrou que EUA e Coreia do Sul realizaram exercícios conjuntos na região no dia do naufrágio, o que dificultaria um suposto ataque norte-coreano.

Os EUA não demoraram para reagir. O porta-voz do Departamento de Estado, Philip Crowley, disse que a ameaça "soa como o comportamento provocativo que caracterizou a Coreia do Norte desde o início de 2009".

Na segunda-feira, um enviado sul-coreano pediu ao Conselho de Segurança que penalize a Coreia do Norte, após fornecer provas sobre o incidente. "Identificamos o torpedo como um modelo CHT02D norte-coreano, com base nos fragmentos recuperados, até mesmo elementos de propulsão", disse Yoon Duko-yong, cientista do Instituto de Ciências e Tecnologia Avançada da Coreia do Sul.

O diplomata norte-coreano rebateu as provas da Coreia do Sul e sugeriu que o navio pode ter naufragado após colidir com rochas no mar. "Se a ONU debate o caso apenas com o resultado da investigação unilateral de Seul e sem nossa verificação, significa que toma partido", afirmou Sin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.