Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Reuters
Reuters

Coreia do Norte quer diálogo nuclear bilateral e multilateral

Líder norte-coreano Kim Jong-il diz para enviado chinês que deseja manter negociações para desnuclearização

Efe,

18 de setembro de 2009 | 08h01

O líder norte-coreano Kim Jong-il assegurou que quer manter "diálogos bilaterais e multilaterais" para solucionar o conflito do desmantelamento nuclear da península de Coreia, segundo informou nesta sexta-feira, 18, a agência oficial chinesa Xinhua.

 

Veja também:

especialEspecial: As origens do impasse norte-coreano

especialEspecial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

O líder norte-coreano fez as declarações durante a reunião que manteve em Pyongyang com Dai Bingguo, conselheiro de Estado chinês e enviado especial do presidente da China Hu Jintao. Dai entregou ao líder norte-coreano uma carta do presidente da China durante o encontro, que transcorreu "em um ambiente cordial".

 

De acordo com Xinhua, na carta, o presidente Hu transmitiu a Kim a importância que o governo chinês outorga às relações com Coreia do Norte, assim como o objetivo de Pequim de conseguir a desnuclearização da península coreana.

 

Pequim continua sendo considerada a principal aliada política do regime norte-coreano e exerce também como anfitriã nas negociações multilaterais para a desnuclearização da Coreia do Norte, iniciadas em 2003 e suspensas em dezembro do ano passado pela rejeição de Pyongyang às sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) ao lançamento de um foguete de longo alcance.

 

Como em julho Dai Bingguo se reuniu em Washington com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, se acredita que o emissário pôde explicar às autoridades norte-coreanas as posturas dos EUA e da China em quanto ao diálogo nuclear, no qual participam também Coreia do Sul, Japão e Rússia.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norteprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.