Coréia do Norte quer discutir com EUA teste de míssil

A Coréia do Norte declarou nesta quarta-feira que gostaria de manter conversações diretas com os Estados Unidos sobre seu aparente plano de testar um míssil de longo alcance, um dia após ter insistido em seu direito de realizar o lançamento."Alguns dizem que nosso teste de mísseis é uma violação da moratória, mas esse não é o caso", disse Han Song-ryol, subchefe da missão da Coréia do Norte na ONU em entrevista à agência sul-coreana Yonhap. "Estamos sabendo das preocupações dos EUA sobre o teste de nosso míssil. Portanto, nossa posição é que devemos resolver o assunto através de conversações."O embaixador dos EUA na ONU, John Bolton, rejeitou a possibilidade de negociações diretas com o governo de Pyongyang, dizendo que as ameaças não são uma boa maneira de iniciar um diálogo. "A forma de comprometer-se em conversações não é ameaçando lançar mísseis intercontinentais", disse Bolton. "Se aceitarmos uma conduta como essa, simplesmente estaremos incentivando que se repita", indicou o diplomata americano, acrescentando: "o ponto essencial que persiste é que a Coréia do Norte não deve realizar o lançamento."Bolton indicou que prosseguirá as consultas com os membros do Conselho de Segurança da ONU sobre as eventuais medidas a tomar caso a Coréia do Norte realize o lançamento do míssil. "Evidentemente, a prioridade é tentar persuadir a Coréia do Norte a não lançar o míssil. No entanto, faremos tudo o que a diplomacia prudente exige, o que significa manter consultas antes que o teste ocorra, de modo a reagir rapidamente", declarou o embaixador.Em Viena, o presidente americano, George W. Bush, advertiu a Coréia do Norte contra o lançamento do míssil, capaz de atingir o território americano. Bush disse que o país asiático deve ater-se aos acordos internacionais sobre testes de mísseis. "Os norte-coreanos fizeram acordos com nós no passado e esperamos que mantenham esses acordos", disse Bush em uma entrevista coletiva, após reunir-se com líderes europeus. "Por exemplo, os acordos sobre testes de lançamentos, acreditamos que seria de interesse mundial saber o que estão testando e o que pretendem fazer com esses testes", declarou. Ele insistiu que qualquer discussão com a Coréia do Norte deve incluir os outros quatro países envolvidos nos esforços para obter o desmantelamento do arsenal nuclear norte-coreano (Coréia do Sul, China, Rússia e Japão).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.