Coreia do Norte reabre fronteira a trabalhadores

Suspensão de acesso para sul-coreanos aconteceu na segunda; rede de comunicação continua suspensa

Efe,

10 de março de 2009 | 06h06

A Coreia do Norte voltou a liberar nesta terça-feira, 10, a passagem pela fronteira dos trabalhadores sul-coreanos do complexo industrial da cidade norte-coreana de Kaesong, após a suspensão na segunda-feira desse acesso, informou Seul.   Filho de ditador fica de fora do Parlamento norte-coreano Coreia do Norte ameaça com guerra se satélite for interceptado Kim Jong-il é reeleito com 100% dos votos   O porta-voz do Ministério da Unificação sul-coreano, Kim Ho-nyoun, citado pela agência de notícias Yonhap, disse que as duas Coreias entraram em acordo para retomar nesta manhã o acesso ao complexo industrial de Kaesong, onde empresas sul-coreanas empregam mão-de-obra norte-coreana.   Os trabalhadores sul-coreanos da área norte-coreana do Monte Kumgan também voltaram a ter acesso a seus postos de trabalho a partir desta terça-feira.   A Coreia do Norte anunciou na segunda-feira a suspensão do único canal de comunicação aberto agora com o Sul, coincidindo com o início das manobras militares conjuntas anuais entre seu vizinho e EUA, consideradas por Pyongyang um prelúdio de uma possível invasão a seu território.   A suspensão do acesso impediu na segunda-feira a entrada de cerca de 700 empregados e de materiais procedentes da Coreia do Sul no complexo industrial.   Apesar de ter acabado com a restrição sobre o acesso desses trabalhadores, a Coreia do Norte manterá a suspensão da rede militar de comunicação com o Sul enquanto as manobras conjuntas durarem, previsivelmente até o próximo dia 20 de março.   A agência de notícias oficial da Coreia do Norte KCNA informou também que o primeiro-ministro Kim Yong-il visitará "em breve" a China, após ter sido convidado pelo premiê Wen Jiabao.   A China é o maior aliado da Coreia do Norte e os dois países celebram este ano o 60º aniversário do estabelecimento dos laços diplomáticos entre ambos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.