KCTV / AFP
KCTV / AFP

Coreia do Norte faz 'teste crucial' em base de lançamento de satélites

País ressaltou que este é o mais recente de uma série de desenvolvimentos que visa 'restringir e dominar a ameaça nuclear dos EUA'

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2019 | 04h40
Atualizado 16 de dezembro de 2019 | 14h45

SEUL - A Coreia do Norte anunciou neste sábado, 14, um novo "teste crucial" em sua base de lançamento de satélites de Sohae, em um contexto de bloqueio das negociações entre Pyongyang e Washington. O país asiático ressaltou que este é o mais recente de uma série de desenvolvimentos que visa "restringir e dominar a ameaça nuclear dos Estados Unidos", informou a agência oficial de notícias KCNA.

O anúncio foi feito na véspera do início de uma visita de três dias a Seul do enviado americano para a Coreia do Norte, Stephen Biegun. Na quinta-feira, as forças dos EUA realizaram um teste de míssil de médio alcance no Oceano Pacífico.

"Outro teste crucial foi realizado com sucesso na base de lançamento de satélites de Sohae" na sexta-feira, 13, afirmou um porta-voz da Academia Nacional de Ciências da Defesa, em um comunicado publicado pela KCNA.

Este "sucesso de pesquisa", do qual não foram divulgados detalhes, servirá para "reforçar o confiável sistema de dissuasão nuclear" da Coreia do Norte, completou o porta-voz.

Novas armas estratégicas

O comandante do Estado-Maior, Pak Jon Chon, afirmou que os recentes testes serviram para a Coreia do Norte desenvolver novas tecnologias e armas estratégicas.

"Os dados inestimáveis, a experiência e as novas tecnologias adquiridas durante os últimos testes de pesquisa científica de defesa serão plenamente utilizados para o desenvolvimento de outra arma estratégica", disse ele, segundo a KCNA.

Diante da falta de avanço nas negociações com os Estados Unidos, apesar das reuniões de cúpula com o presidente Donald Trump, a Coreia do Norte ameaça anunciar um "presente de Natal" se Washington não fizer concessões a respeito das sanções contra o país.

Situada na costa noroeste da Coreia do Norte, a base de Sohae, também conhecida como Tongchang-ri, foi o foco das negociações entre Pyongyang, Seul e Washington há mais de um ano.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, prometeu fechar o local em setembro de 2018, durante uma reunião com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in

Mas os norte-coreanos utilizaram a base para vários lançamentos de foguetes, que a comunidade internacional denuncia como treinamentos para disparos de mísseis de longo alcance. Os motores de foguetes são conhecidos porque podem ser readaptados para mísseis. 

Ultimato

Pyongyang anunciou no dia 8 um "teste muito importante", que deveria mudar o "status estratégico" do país. O teste, sobre o qual Pyongyang não revelou nenhum detalhe, também foi realizado a partir da base de Sohae.

"É muito possível que o Norte lance algo no dia de Natal e poderia anunciar como um sistema de foguete, quando na realidade seria um míssil balístico intercontinental", disse o pesquisador Ahnn Chan-il, um fugitivo norte-coreano. "Os testes em Sohae poderiam ser ampliados como uma forma de preparação."

As negociações entre Washington e Pyongyang estão bloqueadas desde o fracasso da reunião de cúpula de Hanói em fevereiro. Com a aproximação da data limite estabelecida para o fim do ano, a Coreia do Norte se mostra categórica.

Nesta semana, o regime norte-coreano criticou a convocação de Washington para a análise em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre o risco de disparos de mísseis de curto e médio alcance norte-coreanos nos últimos meses.

"Esta convocação nos ajudou a tomar uma decisão clara sobre o caminho a seguir", afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano. 

Críticas

Nos últimos dias, o governo da Coreia do Norte atacou diretamente Trump. Kim Yong-chol, alto funcionário do regime à frente das negociações até o início do ano, ironizou o presidente americano ao chamá-lo de "idoso impaciente". Em 2017, Kim qualificou Trump de "senil".

Após a reunião do Conselho de Segurança na quarta-feira, Washington advertiu Pyongyang sobre qualquer teste nuclear ou de míssil balístico intercontinental no Ano Novo. E ao mesmo tempo prometeu flexibilidade em caso de retomada das negociações. / AFP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norte [Ásia]míssil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.