Yonhap via AP
Yonhap via AP

Coreia do Norte recebe imprensa estrangeira para desmantelamento de local de testes nucleares

Jornalistas viajam por trem, ônibus e a pé para chegar na região nordeste do país; cerimônia formal é aguardada para os próximos dias

O Estado de S.Paulo

23 Maio 2018 | 12h08

WONSAN, COREIA DO NORTE - Jornalistas estrangeiros partiram de trem para o interior da Coreia do Norte nesta quarta-feira, 23, para acompanhar o desmantelamento do campo de testes de Punggye-ri, localizado numa área montanhosa na região nordeste do país. A viagem de trem pode levar até 12 horas. Depois disso, o grupo segue de ônibus e, em seguida, caminha até o local. O grupo foi convidado pelo governo do líder supremo do país, Kim Jong-un, e vai acompanhar a cerimônia formal, aguardada para os próximos dois dias.

A decisão de fechar o campo de testes nucleares é vista como um gesto de Kim para dar um tom positivo à cúpula histórica com o presidente americano Donald Trump, marcada para o dia de 12 de junho. Ainda assim, a medida não é irreversível e ações mais significativas seriam necessárias para atender às demandas de desnuclearização defendidas pelos Estados Unidos.

+ Coreia do Norte anuncia que desmontará local de testes nucleares

+ EUA darão dinheiro a Pyongyang se regime se desfizer de armas nucleares

A presença da mídia estrangeira no evento aponta para o desejo dos norte-coreanos de transmitir, para todo o mundo, as imagens das explosões. No entanto, inspetores não foram convidados para o evento, o que limita seu valor como uma concessão séria de desnuclearização por Pyongyang.

A Coreia do Norte havia inicialmente recusado a entrada dos jornalistas sul-coreanos depois de cancelar uma reunião de alto escalão com Seul, em protesto contra exercício militares conjuntos de americanos e sul-coreanos. No entanto, a entrada foi autorizada depois que Trump se encontrou com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, em Washington. Os dois se reuniram para discutir a cúpula histórica e tentar impedir que o evento seja cancelado, ameaça que o governo norte-coreano fez na semana passada.

+ China pede que Coreia do Norte não desista de cúpula histórica com EUA

+ Possível reunião entre Trump e Kim já tem moeda comemorativa 

A viagem desta quarta-feira começou pouco depois que os repórteres sul-coreanos a receberam permissão, de última hora, para participar da visita. Os jornalistas foram colocados em cabines com quatro beliches e persianas nas janelas, e orientados a não abrir as persianas durante a jornada. Os custos da viagem ficaram por conta das empresas de mídia. A tarifa de trem é de US$ 75 por pessoa e cada refeição custará US$ 20. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.