Coreia do Norte reforça presença militar na fronteira sul

Coreia do Sul ignora pedidos e reafirma exercícios militares em área sob disputa.

BBC Brasil, BBC

19 de dezembro de 2010 | 13h15

Coreia do Sul diz que levará exercícios adiante apesar de pedidos

As Forças Armadas da Coreia do Norte elevaram o alerta de suas unidades de artilharia localizadas na costa oeste do país, próximo da fronteira com o sul, reporta neste domingo a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

Segundo uma fonte não idenificada que conversou com a agência sul-coreana, as Forças Armadas do norte também deixaram de prontidão caças que estavam nos hangares.

O recrudescimento da tensão entre as Coreias se dá horas antes de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, na qual as potências discutirão a situação na península - qualificada de "barril de pólvora" no sábado por um enviado americano.

Ignorando os pedidos da Rússia e da China para evitar a escalada das tensões, a Coreia do Sul reafirmou neste domingo que levará adiante nos próximos dias um exercício militar com artilharia real na região sob disputa.

A simulação de um dia é uma resposta ao ataque a míssil norte-coreano que matou pessoas no dia 23 de novembro. O bombardeio à ilha de Yeonpyeong matou dois soldados e dois civis sul-coreanos.

As Forças Armadas sul-coreanas disseram que as armas serão apontadas em direção oposta à Coreia do Norte durante o exercício. Mesmo assim, Pyongyang já advertiu que poderá reagir em caráter "imprevisível" e "de autodefesa".

O regime comunista do norte não aceita a fronteira desenhada no Mar Amarelo por um general americano no fim da Guerra da Coreia, em 1953. Por isso, diz que qualquer disparo feito na região corre o risco de risco de cair em águas norte-coreanas.

A mídia estatal norte-coreana tem advertido que, se os exercícios forem levados adiante, o país pode atacar o sul em maior escala que o ataque anterior.

Diplomacia

Enquanto os dois vizinhos trocam ameaças, nos bastidores continuam as iniciativas para acalmar a tensão.

No sábado, a Rússia pediu uma reunião "urgente" do Conselho de Segurança, e expressou irritação pelo fato de o encontro ter sido agendado somente para o domingo.

O país, que faz fronteira com a Coreia do Norte, pediu às autoridades americanas e sul-coreanas que cancelem os exercícios militares.

A China também vem advertindo que um conflito entre os dois vizinhos desestabilizaria a região. Mas o governo chinês até agora se limitou a expressar "grande preocupação" com a possibilidade.

Um enviado não-oficial americano para a questão coreana, Bill Richardson, qualificou no fim de semana a tensão entre as Coreias de "barril de pólvora".

Ao fim de uma visita à capital norte-coreana, Pyongyang, Richardson disse que fez "pequenos avanços" na promoção do diálogo entre os dois vizinhos e que pediu às autoridades norte-coreanas para exercer "moderação" diante das tensões.

Richardson, que é governador do Estado do Novo México, viajou por sua própria conta à Coreia do Norte - com quem os EUA não têm relações diplomáticas -, mas no passado já exerceu a função de moderador entre os dois vizinhos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.