Coréia do Norte se diz pronta para desmontar reator

A Coréia do Norte está preparando-se para suspender as atividades de seu principal reator nuclear, informaram neste sábado, 17, enviados de Pyongyang durante o início de uma reunião sobre a questão nuclear norte coreana em Pequim. A mensagem do isolado regime comunista foi passada à imprensa pelo enviado sul coreano, Chun Yung-woo.A medida, caso seja cumprida, será um dos principais passos para o desarmamento do país, acertado em meados de fevereiro pelas seis nações que discutem o programa nuclear norte-coreano (grupo formado pelas duas Coréias, EUA, China, Japão e Rússia).Segundo Chun, a coréia do Norte também teria prometido submeter uma lista de todas as atividades relacionadas ao seu programa nuclear ao grupo de negociadores. A promessa de desativação do principal reator, entretanto, veio na condicional. O fechamento das instalações em Yongbyon já começaram a ser providenciadas, e devem ser concluídas "assim que as condições forem criadas", destacou Chun, sem explicar a que condições se referia. O anúncio veio pouco depois de o principal negociador nuclear norte-coreano ter dito que o país não interromperá seu programa nuclear antes que os Estados Unidos levantem as sanções financeiras a contas do país em um banco de Macau."Se as sanções financeiras no Banco Delta Ásia não forem completamente anuladas, nós não vamos parar com o nosso programa de desenvolvimento nuclear", disse Kim a jornalistas ao chegar a Pequim para uma nova rodada de negociações do grupo de seis países, prevista para começar na segunda-feira.MacauTambém neste sábado, uma importante autoridade do Departamento do Tesouro americano disse Macau - um território autônomo no sul da China - deve decidir se irá liberar os fundos norte-coreanos congelados no Delta Ásia. O banco é acusado de ajudar Pyongyang na lavagem de dinheiro e falsificação de moeda. Após encontrar-se com funcionários do governo de Macau, o secretário assistente do tesouro americano Danny Glaser recusou-se em afirmar se havia encorajado o território chinês a liberar parte dos cerca de US$ 25 milhões em fundos congelados da Coréia do Norte. "Os macauenses não precisam das minhas sugestões. O que eles precisam (para tomar a decisão) são as informações que nós possuímos", disse Glaser, que repassou às autoridades do território as informações de uma investigação de 17 meses sobre as atividades do Delta Ásia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.