Coréia do Norte volta a fazer exigências aos EUA

Uma alta autoridade norte-coreana disse que seu governo não retomará as negociações em torno da crise nuclear que envolve a Coréia do Norte e os EUA, a menos que os americanos realizem ?ações simultâneas? para atender às exigências de Pyongyang, dizendo que não faz sentido o país comunista ?baixar a armas primeiro?. A Coréia do Norte vem dizendo que não tem interesse em seguir com as negociações, mas o vice-chanceler Choe Su Hon usou seu discurso na Assembléia Geral das Nações Unidas para apresentar, em detalhes, a posição do governo que representa. A Coréia do Norte costuma esquentar a retórica para exigir concessões antes de negociar. Choe acusou os EUA de insistir que seu país ?aja primeiro?, e classificou isso como a política hostil de uma superpotência tentando derrubar o regime norte-coreano pela força. ?Ação simultânea é uma fora realista de desnuclearizar a Península Coreana?, disse ele. Washington exige que a Coréia do Norte desmantele seu programa nuclear; Pyongyang diz que só o fará se os EUA assinarem antes um tratado de não-agressão, oferecer ajuda econômica e diplomática.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.