Coréia do Norte volta a negar desenvolvimento de armas nucleares

Horas depois de a Coréia do Norte ter feito um teste lançando um míssil no mar entre a Península Coreana e o Japão, Kim Yong Nam, o segundo na hierarquia do país comunista, tentou persuadir líderes dos países em desenvolvimento, reunidos em Kuala Lumpur, capital da Malásia, de que Pyongyang não está desenvolvendo armas nucleares no momento atual. Kim Yong Nam afirmou em uma conferência que as atividades nucleares da Coréia do Norte no estágio atual estão restritas a fins pacíficos, apesar de o país ter abandonado o Tratado de Não-Proliferação Nuclear, em janeiro. Em uma ação provocativa na véspera da posse do novo presidente sul-coreano Roh Moo-hyun, a Coréia do Norte lançou ontem um míssil ao mar, entre a Península Coreana e o Japão. O míssil foi disparado enquanto o secretário americano de Estado, Collin Powell, o primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi, e outros líderes chegavam a Seul para a cerimônia de posse. Desde que abandonou o tratado, a Coréia do Norte tem afirmado que seu programa nuclear tem o objetivo de desenvolver fontes alternativas de energia e não armas. Mas Pyongyang tem constantemente ressaltado que essa é sua estratégia no "estágio atual", o que deixa em aberto a possibilidade de o governo norte-coreano mudar a sua direção e desenvolver armas nucleares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.