Coreia do Sul altera rede para comunicação com EUA

A Coreia do Sul respondeu às preocupações dos EUA sobre utilizar a rede de telecomunicação da chinesa Huawei Technologies e irá utilizar uma rede separada para as comunicações mais sensíveis, afirmou uma autoridade dos EUA. A campanha norte-americana contra a chinesa Huawei Technologies na Coreia do Sul foi seguida por um lobby similar na Austrália.

AE, Agência Estado

14 de fevereiro de 2014 | 01h09

Em encontros com parceiros sul coreanos nos últimos meses, autoridades dos EUA indicaram que Washington avalia a utilização do equipamento da Huawei como um risco. Para eles, o equipamento pode ser utilizado para espionar as comunicações entre os países e comprometer a rede de segurança utilizada pelo exército norte-americano e por oficiais da inteligência na Coreia do Sul, afirmaram autoridades do governo dos EUA.

Para contornar essa preocupação, a Coreia do Sul decidiu alterar o projeto para que as comunicações mais sensíveis do país não passem pelos equipamentos da Huawei, afirmaram membros do governo dos EUA que participaram das negociações. Da mesma forma, o equipamento da Huawei não será utilizado ou conectado nas bases militares norte-americanas na Coreia do Sul.

Membros do governo dos EUA procuraram manter as preocupações em conversas privadas, uma vez que a administração de Barack Obama não quis ser vista como tentando interferir em decisões comerciais de um importante aliado. As fontes também afirmaram que a Coreia do Sul tinha suas próprias preocupações com o equipamento.

As autoridades da Coreia do Sul, incluindo o escritório do presidente, o Ministério da Defesa, o Ministério das Comunicações e a agência nacional de espionagem, se negaram a comentar.

A Huawei negou as acusações feitas pelos EUA e não quis comentar sobre as alterações feitas pela Coreia do Sul. "A Huawei não pode falar por qualquer acordo aparentemente político. No entanto, da perspectiva tecnológica e da integridade da rede, a Huawei pode reafirmar que seus equipamentos são utilizados globalmente, provados e confiáveis, conectando quase um terço da população mundial", disse William Plummer, vice-presidente de assuntos externos da Huawei Technologies. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinacoreiaeua

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.