Coreia do Sul aumenta controle militar sobre ilha atacada por Pyongyang

Exército sul-coreano pode proibir a entrada de civis em Yeonpyeong; exercícios de guerra seguem

Efe,

29 de novembro de 2010 | 04h48

SEUL - A Coreia do Sul declarou nesta segunda-feira, 29, a ilha de Yeonpyeong, atingida pelo ataque norte-coreano da terça-feira passada, como "zona de controle" militar a fim de reforçar ainda mais a defesa na tensa fronteira do Mar Amarelo (Mar Ocidental), onde efetua manobras conjuntas com os EUA.

 

Veja também:

video TV Estadão: Roberto Godoy analisa nova crise coreana

blog Radar Global: Veja imagens do ataque norte-coreano

documento Arquivo Estado: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países 

 

A chamada Lei de Defesa Unida, aprovada nesta segunda, concede ao Exército sul-coreano o poder de proibir a entrada de civis nessa ilha e de ordenar seu despejo quando necessário, informou a agência local Yonhap.

 

A aprovação da lei é a última medida para reforçar a segurança após a crise com a Coreia do Norte, à qual Seul respondeu com manobras navais junto com seu aliado americano nas águas do Mar Amarelo.

 

O ataque a Yeonpyeong foi um dos fatos mais graves relacionados às tensões vividas entre os dois países vizinho do leste asiático.

 

Os dois países se encontram tecnicamente em conflito desde que a Guerra da Coreia (1950-1953) foi encerrada pelo armistício em vez de um tratado de paz. Desde então, o acirramento das tensões entre as duas nações asiáticas é frequente.

 

Saiba mais:

linkChina convoca reunião sobre Coreias

 

Um dos episódios mais recentes dos atritos entre os países foi o afundamento do navio sul-coreano Cheonan. Seul acusa Pyongyang de estar por trás do ataque, que matou 46 marinheiros. A Coreia do Norte, que está sob pressão pelas suspeitas de estar ampliando seu programa nuclear, nega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.