Host Broadcaster via REUTERS TV
Host Broadcaster via REUTERS TV

Coreia do Sul comemora confirmação da cúpula entre Trump e Kim

O presidente norte-americano confirmou que se reunirá com o líder da Coreia do Norte em Cingapura ainda este mês

O Estado de S.Paulo

02 Junho 2018 | 04h28

SEUL - O governo da Coreia do Sul comemorou neste sábado, 02, pelo anúncio realizado na sexta-feira, 01, pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmando que se reunirá com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, no dia 12, em Cingapura.

"Parece que o caminho para a cúpula a Coreia do Norte/EUA se expandiu e melhorou", disse, em um breve comunicado, o porta-voz da presidência Kim Eui-kyeom, horas depois do anúncio de Trump. "Esperamos, com uma mistura de entusiasmo e calma, este evento histórico em Cingapura", acrescenta o texto.

As palavras do porta-voz chegam depois de Trump dizer em Washington, onde se reuniu com um colaborador próximo de Kim Jong-un, que se reunirá com o líder norte-coreano no próximo dia 12 para tratar o possível desmantelamento do programa nuclear norte-coreano.

Oito dias depois de cancelar sua reunião com Kim devido às desavenças em torno de um possível modelo de desarmamento, Trump recebeu na Casa Branca Kim Yong-chol, braço direito do líder norte-coreano, e falou com ele durante quase uma 1h30 antes de anunciar que a histórica cúpula será realizada em sua data original.

+ Presidente sul-coreano se reúne com Kim Jong-un em zona desmilitarizada

+ Kim duvida de garantias de segurança oferecidas por EUA, segundo Moon

Washington defendeu que a desnuclearização norte-coreana deveria ser um processo completo e quase imediato, enquanto o regime de Pyongyang parece querer antepor as garantias para sua sobrevivência como condição prévia a um processo gradual e acompanhado da retirada gradativa das sanções.

Uma equipe americana se encontra atualmente em Seul com a intenção de seguir negociando na fronteira intercoreana com uma delegação de Pyongyang para fixar uma agenda para a cúpula. /EFE

+ Análise: Um presidente imprevisível para uma política incerta 

+ Coreia do Norte e EUA tentam salvar cúpula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.