Coreia do Sul concede indulto a quase 2,5 mil pessoas

Perdão faz parte das comemorações do 65º aniversário do fim da ocupação japonesa

Efe

13 de agosto de 2010 | 04h27

Perdão. Ministro da Justiça sul-coreano, Lee Kwi-nam, anunciou o perdão especial para fomentar a unidade social e reduzir as tensões no país

 

SEUL - O governo sul-coreano anunciou nesta sexta-feira, 13, o indulto a 2.493 pessoas, entre eles políticos e empresários condenados por corrupção, durante o aniversário da independência da Coreia do Sul da colonização japonesa.

Segundo o Ministério da Justiça, o indulto do presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, será efetivo a partir do próximo domingo, 15 de agosto, quando será comemorado o 65º aniversário do fim da ocupação japonesa (1910-1945).

A maioria dos indultados (2.375) são pessoas condenadas por infrações da lei eleitoral nas eleições locais de 2006 e nas presidenciais de 2007, enquanto 91 cumpriam penas por violações do código penal e outros 27 são imigrantes estrangeiros e reclusos com penas brandas.

O Ministério da Justiça explicou que, no caso dos políticos indultados, o objetivo é fomentar a "unidade social" e diminuir as tensões no país asiático.

Na lista de beneficiados está Roh Geon-pyeong, irmão do ex-presidente Roh Moo-hyun (2003-2008), condenado a dois anos e seis meses de prisão e a pagar uma multa de 300 milhões de wons (196 mil euros), por aceitar um suborno em 2006 em troca de um favor empresarial.

Também estão Suh Chung-won, ex-deputado governamental, e Kim One-ki, ex-presidente da Assembleia Nacional (Parlamento) do partido da oposição, condenados por financiamento ilegal.

Líderes empresariais condenados por corrupção, como Lee Hak-soo, ex-vice-presidente da Samsung Electronics, e Kim Jun-ki, presidente do Grupo Dongbui, cuja pena de prisão foi trocada por 200 horas de serviços à comunidade, são outros nomes na lista.

A porta-voz do presidente Lee, Kim Hee-jung, indicou que este perdão pretende fazer com que estes empresários participem da economia sul-coreana e criem emprego e oportunidades para o país superar a crise.

Este tipo de indulto presidencial especial é habitual na Coreia do Sul, que o concede por ocasião da celebração do ano novo ou no dia da independência do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.