Coreia do Sul e EUA farão manobras militares como aviso a Pyongyang

Autoridades dizem que exercícios são de 'caráter defensivo' e mostram forte aliança entre os países

Efe

20 de julho de 2010 | 08h43

Gates e Kim em reunião em Seul.

 

SEUL - A Coreia do Sul e os EUA anunciaram nesta terça-feira, 20, que farão quatro dias de manobras navais e aéreas conjuntas, a partir do próximo domingo, como advertência a Pyongyang após o afundamento em março da embarcação sul-coreana Cheonan, atribuído à Coreia do Norte.

 

O anúncio aconteceu depois de uma reunião em Seul entre o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, e seu colega sul-coreano, Kim Tae-young. Os exercícios militares acontecerão no Mar do Leste (Mar do Japão) e terão participação do porta-aviões George Washington, além de 20 navios de guerra e caças de combate F-22, segundo comunicado da Junta do Estado-Maior sul-coreano e das forças americanas.

 

Segundo a agência sul-coreana Yonhap, Gates e Kim afirmaram que essas manobras são de "caráter defensivo" e pretendem enviar uma clara mensagem à Coreia do Norte para que cesse suas hostilidades. Além disso, os países também buscam mostrar que a aliança entre Coreia do Sul e EUA será reforçada pela paz e pela estabilidade da península.

 

O Comando da ONU, liderado pelos EUA, informou à Coreia do Norte sobre a agenda das manobras no Mar do Leste, acrescentou a Yonhap.

 

Seul e Washington cogitaram realizar exercícios militares conjuntos desde que uma equipe multinacional de investigadores assegurou em maio que o afundamento do Cheonan, no qual morreram 46 marinheiros sul-coreanos, foi provocado por um torpedo norte-coreano, algo que Pyongyang nega.

 

Além dos exercícios anunciados nesta terça, está previsto que Coreia do Sul e EUA realizem em um futuro próximo novos testes navais conjuntos no Mar Amarelo (Mar Ocidental), onde ocorreu o naufrágio, e no Mar do Leste.

 

Gates, que chegou à Coreia do Sul segunda-feira, visitou na terça uma base americana em Dongducheon, a norte de Seul, antes de se reunir com seu colega sul-coreano.

 

Hillary

 

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, deve chegar a Seul na quarta-feira, 21, para participar com Gates no primeiro diálogo entre as titulares de Exteriores e Defesa dos dois países.

 

Antes desse encontro de quarta, denominado "2+2", Gates, Clinton e seus respectivos colegas sul-coreanos, Yu Myung-hwan e Kim Tae-young, visitarão a zona desmilitarizada que divide as duas Coreias.

 

Atualmente há aproximadamente 28.500 soldados americanos na península coreana, como poder dissuasório perante um eventual ataque do governo da Coreia do Norte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.