AFP PHOTO / KCNA
AFP PHOTO / KCNA

Coreia do Sul e Japão anunciam novas sanções contra Coreia do Norte

Países justificam ação em razão dos programas de mísseis balísticos e nuclear do regime de Pyongyang, que alega que decisão é uma conspiração arquitetada pelos EUA

O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2016 | 08h01

SEUL - A Coreia do Sul e o Japão anunciaram nesta sexta-feira, 2, que irão impor novas sanções contra a Coreia do Norte em razão dos programas de mísseis balísticos e nuclear do regime de Pyongyang, após uma nova resolução do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) imposta nesta semana contra os norte-coreanos.

A Coreia do Norte rejeitou a resolução da ONU, que tem como objetivo cortar a renda anual de exportações do país em um quarto, após seu quinto e maior teste nuclear realizado em setembro. Pyongyang disse que a resolução é uma conspiração arquitetada pelos EUA para atingir sua soberania. A Coreia do Sul e o Japão já possuem sanções unilaterais em vigor contra a Coreia do Norte.

Seul informou em comunicado que suas novas medidas colocarão autoridades do Norte ao lado de outros nomes já destacados negativamente pela instituição, incluindo os assessores próximos do líder Kim Jong-un, Choe Ryong Hae e Hwang Pyong So. Hwang, que já foi considerado a segunda autoridade mais poderosa da Coreia do Norte além da família Kim, já é alvo de sanções do Tesouro americano.

O Japão informou nesta sexta-feira que também irá aumentar sua lista de sanções unilaterais, incluindo a proibição de todos os navios que pararem em portos na Coreia do Norte, disse o secretário-chefe de gabinete Yoshihide Suga durante entrevista coletiva.

"É uma nova fase de ameaça que a Coreia do Norte forçou ao realizar testes nucleares duas vezes neste ano e lançar mais de 20 mísseis, e está aumentando capacidade. O Japão não pode tolerar estes atos de violência", disse Suga. / REUTERS

Veja abaixo: ONU endurece sanções contra a Coreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.