Coréia do Sul e Japão querem retomar diálogo nuclear

Primeiro-ministro japonês realizou sua primeira visita oficial ao país desde que assumiu mandato

Efe,

12 de janeiro de 2009 | 04h39

O presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, e o primeiro-ministro japonês, Taro Aso, reafirmaram nesta segunda-feira, 12, sua vontade de impulsionar a desnuclearização norte-coreana, mediante o diálogo de seis lados no qual ambos participam. Em entrevista coletiva realizada ao término de sua primeira cúpula bilateral em Seul, ambos os líderes concordaram em cooperar "com paciência" para conseguir o desarmamento nuclear do regime norte-coreano. Os dois líderes também disseram que vão trabalhar juntos para enfrentar a crise econômica mundial e concordaram em manifestar seu receio com um aumento do protecionismo como consequência das dificuldades financeiras. Além disso, também concordaram em ampliar as trocas comerciais e de informação entre as pequenas e médias empresas de ambos os países, assim como entre as gerações de jovens japoneses e sul-coreanos, como um meio de fortalecimento e avanço de suas relações bilaterais. Na esfera internacional, os dois líderes acertaram trabalhar juntos para ajudar na reconstrução do Afeganistão e participar ativamente nos assuntos internacionais. Segundo um comunicado emitido pela Casa Presidencial sul-coreana, os dois países acordaram, além disso, realizar um encontro de trabalho para estudar como retomar as conversas sobre um tratado de Livre-Comércio (TLC) entre os dois países. As negociações para um acordo econômico e comercial entre Japão e Coréia do Sul foram suspensas em 2004 devido à oposição da parte sul-coreana, que estava preocupada com a possibilidade de que o trato representasse um déficit comercial para eles. O presidente sul-coreano confirmou que realizará este ano uma visita ao Japão. Durante a cúpula os dois governantes evitaram tratar o conflito territorial entre ambos os países pela soberania sobre as ilhas conhecidas como Dokdo na Coréia do Sul e como Takeshima no Japão. Aso, que chegou no domingo a Seul em sua primeira viagem à Coréia do Sul desde que assumiu o mandato como primeiro-ministro em setembro do ano passado, voltará nesta segunda-feira a Tóquio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.