Coréia do Sul enviará 400 mil toneladas de arroz ao Norte

As duas Coréias concordaram, neste domingo, 22, em realizar em maio testes para unir suas ferrovias através da zona fronteiriça, enquanto Seul decidiu fornecer 400 mil toneladas de arroz a Pyongyang, segundo informou a agência sul-coreana "Yonhap".A decisão foi tomada durante a 13ª rodada do comitê econômico intercoreano, realizado em Pyongyang desde a quarta-feira e que se estendeu por um dia devido aos diferentes desacordos entre ambos os países.Segundo a "Yonhap", no acordo alcançado em Pyongyang não se inclui um compromisso por parte da Coréia do Norte de tomar medidas que levem ao desmantelamento de seu programa nuclear.No entanto, Chin Dong-soo, responsável pela delegação sul-coreana, indicou ao término do encontro que, durante as conversas, ficou "claro que será difícil entregar arroz a menos que a Coréia do Norte atue para aplicar o acordo de 13 de fevereiro", alcançado em Pequim.Na ocasião, Pyongyang se comprometeu a fechar sua usina nuclear de Yongbyon em 60 dias em troca de ajudas internacionais em matéria energética, mas o prazo terminou há uma semana sem que o processo tenha começado.O Governo norte-coreano se nega a desmantelar suas instalações nucleares enquanto não confirmar o acesso aos US$ 25 milhões que possui em contas do banco Ásia Delta de Macau e que foram congelados durante um ano e meio pelos Estado Unidos.As conversas das duas Coréias terminaram neste domingo com um acordo de dez pontos no qual se comprometem a fazer esforços para garantir a segurança dos testes da ferrovia através de sua zona fronteiriça que está desmilitarizada.Esse teste será realizado em 17 de maio e antes se debaterão as medidas de segurança em uma nova reunião em Kaesong (Coréia do Norte), nos dias 27 e 28 de abril.A falta de consenso a respeito da garantia de segurança das pessoas que trabalhem nesses testes técnicos foi o que estendeu por um dia a realização do comitê econômico intercoreano.Há um ano, a Coréia do Norte deteve esses testes ferroviários, faltando um dia para que começassem, após alegar falta de acordo entre os militares de um e outro país para garantir a segurança do pessoal que realizaria esse trabalho.O tratado de armistício assinado ao término da Guerra da Coréia em 1953 exige o consentimento militar para atravessar as fronteiras das duas Coréias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.