Coréia do Sul espera notícias de tradutor seqüestrado

A Coréia do Sul aguardava hoje, emsuspense, o destino do tradutor Kim Sun-il, seqüestrado desde odia 17 no Iraque e ameaçado de decapitação por um gruposupostamente vinculado à Al-Qaeda). Embora tenha anunciado estar"se esforçando" para libertar Kim, o governo sul-coreanogarantiu que não negociará com os terroristas. No domingo, ogrupo, liderado pelo militante jordaniano Abu Musab al-Zarqawi,deu 24 horas para que Seul retirasse seus técnicos do Iraque.Dois dias antes, a rede de Bin Laden já havia degolado, naArábia Saudita, o refém americano Paul Marshall Johnson. Kim, de 33 anos, foi seqüestrado em Faluja. Ele trabalhavapara a empresa Gana Trading Company, que presta serviço àstropas americanas. No domingo, a tevê árabe Al Jazira exibiu umvídeo onde o sul-coreano implorava por sua vida. "Soldadossul-coreanos, por favor, deixem o país (Iraque). Não queromorrer", implorou Kim. Os terroristas, por sua vez, advertiram:"Caso nossas exigências não sejam cumpridas, enviaremos a cabeçadeste sul-coreano a seu governo." A despeito do drama, e além de não retirar seus 660engenheiros de Bagdá, o governo sul-coreano manteve sua posturade enviar ao Iraque 3 mil soldados até agosto. Terminado o prazo estipulado pelos terroristas, centenas depessoas (incluindo os pais do tradutor) fizeram vigília, hoje,na frente da embaixada dos EUA em Seul. Em sua maioria, erampessoas que se opõem ao envio de tropas. O governo sul-coreano garantiu que cinco altos funcionários(dois do Ministério do Exterior e três representantes dogoverno) estavam sendo enviados para a Jordânia, que fazfronteira com o Iraque, para tentar libertar Kim do cativeiro. Dan Senor, porta-voz da coalizão militar liderada pelos EUA,no Iraque, também disse estar "fazendo o possível" pelosul-coreano. "Consideramos toda a tomada de reféns umaprioridade. Estamos nos mobilizando", afirmou. Até dez estrangeiros encontram-se em cativeiro junto com Kim,informou a agência de notícias sul-corean Yonhap. No grupo estãoum jornalista europeu e estrangeiros que trabalham para acompanhia norte-americana Kellogg Brown & Root, segundo aagência, que citou declarações do representante da companhiapara a qual o sul-coreano trabalha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.