Coreia do Sul expande zona de defesa aérea e sobrepõe à chinesa

A Coreia do Sul informou neste domingo que estendeu sua zona de defesa aérea, parcialmente sobrepondo-se à zona semelhante declarada pela China há duas semanas que intensificou fortemente as tensões regionais.

JACK KIM E JANE CHUNG, Reuters

08 de dezembro de 2013 | 14h20

A declaração unilateral de Pequim de uma zona de identificação de defesa aérea em uma área que inclui ilhas no coração da disputa terriotrial com o Japão desencadeou protestos dos Estados Unidos, além do Japão e da Coreia do Sul, aliados próximos.

Anunciando a expansão de sua própria zona para incluir duas ilhas territoriais ao sul e uma pedra submersa pela qual a China também alega soberania, o Ministério da Defesa da Coreia do Sul disse que a manobra não vai infringir sobre a soberania dos países vizinhos.

"Acreditamos que isso não vai impactar significativamente nossa relação com a China e com o Japão à medida que tentamos trabalhar para paz e cooperação no nordeste da Ásia", disse o chefe de políticas do ministério da Defesa, Jang Hyuk, em coletiva.

"Explicamos nossa posição a países envolvidos e, de maneira geral, eles estão de acordo que essa manobra respeita regulações internacionais e não é uma medida excessiva", afirmou ele, acrescentando que a prioridade do Ministério é trabalhar com os países vizinhos para evitar confronto militar.

Tudo o que sabemos sobre:
COREIASULCHINADEFESA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.