Coréia do Sul, Japão e EUA discutem hoje a desnuclearização

Trata-se da 1ª reunião destes três países em um mês, desde a ocorrida em Washington, em meados de maio

Efe,

19 de junho de 2008 | 04h45

Os enviados de Coréia do Sul, Japão e Estados Unidos se reúnem nesta quinta-feira, 19, em Tóquio para falar do processo de desnuclearização da Coréia do Norte, em meio a um cauteloso otimismo, informa a agência local Kyodo. O encontro entre o americano Christopher Hill, o sul-coreano Kim Sook e o japonês Akitaka Saiki ocorrerá no momento em que se aguarda o possível reatamento das conversas de seis lados sobre o tema, das quais participam ainda Coréia do Norte, Rússia e China. Trata-se da primeira reunião destes três países em um mês, desde a ocorrida em Washington, em meados de maio. Espera-se retomar nas próximas semanas o diálogo sobre a desnuclearização do regime comunista norte-coreano. O diálogo de seis lados, iniciado em 2003 em Pequim, permanece estagnado desde que Pyongyang descumpriu o prazo para declarar todas as suas atividades nucleares e desmantelar suas instalações atômicas de Yongbyon, expirado em 31 de dezembro. A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, se mostrou na quarta-feira confiante de que a Coréia do Norte entregará "em breve" a declaração sobre suas atividades nucleares, pendente desde o fim do ano passado. Nos últimos meses ocorreram avanços no processo, com a Coréia do Norte entregando aos Estados Unidos mais de 18 mil páginas de documentos sobre suas atividades nucleares desde 1984. Pyongyang se comprometeu na semana passada a retomar as investigações do assunto dos cidadãos japoneses seqüestrados nas décadas dos anos 70 e 80 por agentes norte-coreanos, segundo um comunicado oficial do regime comunista. Em troca desse gesto, o Japão se comprometeu a suspender parte das sanções impostas ao regime comunista. O polêmico tema dos seqüestros é um dos principais obstáculos na conflituosa relação entre Japão e Coréia do Norte, e o impedimento mais importante para que os japoneses avancem no processo de negociações de seis lados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.