Dong-A Ilbo/AFP
Dong-A Ilbo/AFP

Sul-coreanos queimam foto de Kim Jong-un em protesto contra ida de Pyongyang aos Jogos de Inverno

Ato foi convocado pelo grupo de extrema direita Partido Patriota Coreano; bandeira da Coreia do Norte também foi queimada

O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2018 | 04h10
Atualizado 22 Janeiro 2018 | 08h44

SEUL - Um grupo de manifestantes queimou nesta segunda-feira, 22, uma foto do líder norte-coreano, Kim Jong-un, durante um protesto em Seul contra a participação da Coreia do Norte nos Jogos Olímpicos de Inverno, que serão realizados em fevereiro no condado sul-coreano de Pyeongchang.

+ Com equipe unida, Coreias fecham acordo final para Jogos Olímpicos

A manifestação, na qual também foi queimada uma bandeira da Coreia do Norte, foi convocada pelo grupo de extrema direita Partido Patriota Coreano, que se concentrou em frente à estação central de trem de Seul, segundo a agência de notícias Yonhap.

+ Fotos de satélite indicam que Pyongyang estaria preparando desfile militar antes de Jogos de Inverno

O local foi escolhido porque uma delegação norte-coreana que está visitando a Coreia do Sul para coordenar a participação do seu país nos Jogos, que começam no dia 9 de fevereiro, estava prevista para chegar à estação vinda da cidade de Gangneung, uma das sedes do evento esportivo.

A visita da delegação tem ganhado destaque pelo forte dispositivo de segurança em torno do grupo a fim de evitar qualquer possível agressão.

Os manifestantes leram um comunicado em que denunciaram que "os Jogos de Pyeongchang estão se transformando nos Jogos Olímpicos de Pyongyang e Kim Jong-un, que promove o seu regime e o seu armamento nuclear", antes de queimarem os símbolos norte-coreanos e também a chamada bandeira "unificada".

Acredita-se que a participação norte-coreana em Pyeongchang pode ajudar a diminuir a tensão regional, após um 2017 marcado pelos contínuos testes de mísseis norte-coreanos e as ameaças de Pyongyang em resposta ao presidente americano, Donald Trump. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.