Coreia do Sul muda rota de jatos após ameaça norte-coreana

Governo norte-coreano afirma que não pode garantir segurança dos aviões

BBC Brasil, BBC

06 de março de 2009 | 05h57

Duas companhias aéreas da Coreia do Sul - Korean Air e Asiana - mudaram as rotas de seus voos depois que a Coreia do Norte disse que não pode mais garantir a sua segurança. A advertência da Coreia do Norte foi feita em meio ao aumento da tensão entre os dois países. O regime de Pyongyang já havia dito que exercícios militares enre a Coréia do Sul e os Estados Unidos, que serão realizados na próxima semana, poderiam deflagrar um confronto militar. A Coreia do Norte ha muito qualifica este tipo de exercício anual como "uma provocação", e no momento a tensão entre as duas Coreias está exacerbada. Cerca de 30 voos internacionais diários costumam sobrevoar o espaço aéreo norte-coreano quando deixam e retornam à Coreia do Sul. A Coreia do Norte apresentou este ano objeções aos exercícios regulares, em um raro encontro entre seus generais e o comando de forças das Nações Unidas lideradas pelos Estados Unidos na Coreia do Sul. As manobras, que ocorrem anualmente, deverão envolver milhares de soldados e terão a duração de 12 dias. Especulações de que a Coreia do Norte planeja realizar testes com mísseis de longo alcance lançados a partir de uma base em Hwadae só contribuiram para alimentar a desconfiança na região. O correspondente da BBC na capital sul-coreana, Seul, John Sudworth, disse que aviões de passageiros costumam decolar do aeroporto da cidade e seguir para Estados Unidos passando pelo Mar do Japão e acompanhando a costa coreana em direção à Rússia e ao norte do Alasca. O governo sul-coreano pediu à Coreia do Norte para "retirar imediatamente" a ameaça contra estes aviões. "Uma ameaça militar às operações normais de aviões civis não apenas viola normas internacionais mas também é um ato desumano que nunca pode ser justificado", disse nota do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul. O porta-voz do Departamento de Estado em Washington, Gordon Duguid, disse que o governo da Coreia do Norte deveria buscar formas de cumprir seus compromissos para um desarmamento "ao invés de fazer declarações que ameaçam a aviação pacífica".   As relações entre as duas Coreias se deterioraram desde a eleição do presidente sul-coreano Lee Myung-bak no ano passado. Lee pos fim à política de seu predecessor de oferecer ajuda incondicional ao vizinho - a assistência bilateral passou a depender do progresso na desnuclearização da Coreia do Norte. O governo norte-coreano respondeu com a suspensão de uma série de acordos de paz com Seul. O emissário do governo americano, Stephen Bosworth, realiza no momento um giro por China, Japão e Coreia do Sul em um esforço para reavivar as conversações para o desarmamento nuclear, que estão emperradas.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.