EFE/Ralph Scott
EFE/Ralph Scott

Coreia do Sul pede investigação sobre expansão de sistema antimíssil americano

Ministério de Defesa não informou que mais quatro lançadores haviam sido levados ao país; Thaad foi inicialmente implementado para combater a crescente ameaça de Pyongyang

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2017 | 12h32

SEUL - O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, ordenou a abertura de um inquérito depois que o Ministério de Defesa não lhe informou que mais quatro lançadores de um sistema antimíssil dos EUA haviam sido levados para o país, disse seu porta-voz nesta terça-feira, 30.

O sistema antimíssil americano Thaad (Terminal High Altitude Area Defense) foi inicialmente implementado em março na região sudeste de Seongju, com apenas dois lançadores de sua carga máxima de seis para combater a crescente ameaça de mísseis da Coreia do Norte.

Durante sua bem-sucedida campanha para a eleição presidencial do dia 9 de maio, Moon pediu uma revisão parlamentar do sistema, cuja mobilização enfureceu a China, principal aliada de Pyongyang.

"O presidente Moon disse que foi muito chocante" saber que os quatro lançadores adicionais tinham sido instalados sem serem reportados ao novo governo ou ao público, afirmou o porta-voz do presidente, Yoon Young-chan, em uma coletiva de imprensa.

As Forças Armadas dos EUA no país sul-coreano não comentaram imediatamente as afirmações do porta-voz de Moon. Os militares da Coreia do Sul também não fizeram comentários a respeito. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.