Coreia do Sul prende dois norte-coreanos sob acusação de espionagem

Homens pretendiam assassinar autoridade norte-coreana exilada em Seul, segundo autoridades sul-coreanas

20 de abril de 2010 | 23h35

Efe

 

SEUL- As autoridades sul-coreanas prenderam dois espiões norte-coreanos que preparavam o assassinato de Hwang Jang-yop, cargo mais importante do regime comunista de Kim Jong-il refugiado na Coreia do Sul, informou nesta terça-feira, 20, a imprensa sul-coreana.

 

Segundo o jornal Donga Ilbo, os dois norte-coreanos, Kim Myung-ho y Dong Myung-kwan, ambos de 36 anos e oficiais das forças norte-coreanas, entraram na Coreia do Sul neste ano como refugiados para assassinar Hwang.

 

Hwang, de 88 anos, se refugiou na Coreia do Sul em 1997, e o mais alto exilado do regime norte-coreano, já que foi secretário do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte e presidente da Assembleia Popular Suprema do país comunista.

 

Desde sua deserção por meio da Embaixada sul-coreana em Pequim, Hwang vive ameaçado por Pyongyang devido a suas contínuas aparições públicas e denúncias contra o regime comunista de Kim Jong-il.

 

Os espiões que tinham a missão de matar Hwang chegaram a Tailândia em dezembro por meio da China com o objetivo de entrar na Coreia do Sul, fazendo-se passar por refugiados norte-coreanos em busca de asilo, segundo as autoridades de Seul. Os dois conseguiram entrar no país em janeiro e fevereiro, respectivamente.

 

As autoridades de Seul afirmam que descobriram que eram espiões durante as pesquisas da Inteligência sul-coreana sobre os refugiados antes de os autorizarem a levar uma vida normal na Coreia do Sul.

 

De acordo com o jornal sul-coreano, os espiões entraram para o Partido dos Trabalhadores norte-coreano am 1998 e seis anos depois foram recrutados para espionarem a cargo do Ministério das Forças Armadas da Coreia do Norte.

 

Os dois espiões foram instruídos sobre a situação na Coreia do Sul e aulas de inglês, além de treinamento em artes marciais e outras técnicas de infiltração, segundo a Inteligência sul-coreana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.